Aprenda a identificar os sinais de autismo pelo comportamento

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma desordem que afeta algumas áreas cruciais no desenvolvimento de uma pessoa. Aspectos como a comunicação e a interação ficam  diretamente afetadas, o que reflete também no comportamento, o terceiro item de total importância para o desempenho da criança.

Sinais de autismo em bebês

Identificar traços de autismo em bebês não é uma tarefa fácil, o motivo é o seguinte: as capacidades cognitivas das crianças ainda não estão completamente desenvolvidas nessa fase, que pode ir do nascimento até o quinto ou sexto mês.

Uma dica sobre o que fazer pode ser a análise da vida noturna do bebê, ou seja, se o seu sono é muito agitado; se ele não consegue dormir tranquilamente à noite, se chora muito, etc. Outra sugestão é observar se seu filho prefere ficar no berço em vez de ter contato com pessoas.

Entre o sexto e o décimo mês de vida

A partir desse período, a criança começa a responder aos chamados. Sim, porque ela consegue identificar o seu nome. A forma encontrada por bebês não autistas é estabelecendo contato visual, sorrisos, entre outros. Com os autistas não é assim. Eles simplesmente não correspondem a nenhum estímulo.

Esses meses que antecedem o décimo segundo mês são responsáveis também pela curiosidade. Os bebês começam a mexer em todos os objetos que encontram; o contato com as pessoas também passa a ficar maior, o que explica aqueles sons emitidos (ainda sem a formação de sílabas) como se a criança quisesse conversar com os demais. Os autistas, nessas situações, preferem ficar mais afastados, brincando sozinhos.

Comunicação prejudicada

A comunicação é um dos campos afetados pelo TEA. Sendo assim, um dos indicativos que a criança tem autismo é a demora, acima do normal, para começar a falar. Existem casos de pacientes com mais de quatro ou cinco anos que ainda não falam. Infelizmente, há muitos relatos de autistas maiores que não desenvolveram tal habilidade.

A partir do primeiro ano

O bebê começa a reforçar alguns traços que podem indicar a existência do autismo. Para que os pais tenham uma certeza maior, eles devem procurar por um auxílio médico, o qual vai providenciar um teste chamado M-CHAT. Ele é responsável por avaliar alguns itens, entre eles a interação do pequeno com o ambiente que o cerca.

Do segundo ano para frente

Quando a criança completa dois anos de idade, os pais devem ter ainda mais atenção, pois se houver realmente pouco interesse no contato com as demais pessoas e objetos; alterações de comportamento, dificuldades para se comunicar, distanciamento de brincadeiras em grupo; os sinais já estarão muito mais evidentes para que um especialista possa fazer sua avaliação acerca do quadro do paciente.

O médico será o responsável pelo diagnóstico do autismo. Embora muitos pais deixem para levar seus filhos entre os quatro e os seis anos, é aconselhável que quanto antes o TEA for diagnosticado, mais eficazes podem ser as intervenções na vida do pequeno.

Já pensou aprender profundamente sobre o Autismo para melhorar seus atendimentos clínicos, entender melhor seu filho e saber por que seu aluno apresenta determinado comportamento e como trabalhar o processo de inclusão? Em um curso online completo o Dr. Clay Brites te ensina tudo sobre TEA com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

 

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *