Autismo: desafios e possibilidades na Educação Infantil

Muitas pessoas, ao escutarem a palavra autismo, ficam apreensivas. Essa reação se dá pela falta de informação e que gera desconhecimento. É preciso saber que o autista pode e deve estudar; e que ele pode ter uma vida estudantil muito proveitosa, inclusive.

O receio não está somente entre aqueles que não trabalham no contato com crianças, pois é muito comum que profissionais da área da educação também se vejam apreensivos diante de um aluno autista. Para esclarecer mais sobre esse distúrbio, veja aqui como o autismo pode ser trabalhado com êxito na educação infantil.

Como tratá-lo?

É importante que não o coloque em uma bolha, ou seja, que o trate com diferença. Procure tratá-lo da mesma maneira que os demais coleguinhas, considerando, é claro, a condição do pequeno, mas não colocando em um patamar que o diferencie dos outros alunos.

Quando há esse tratamento de convergência, unindo todos os alunos, é muito mais fácil promover a interação entre todos eles.

Cuidado com alguns detalhes

Mesmo que o ideal seja lidar com o aluno autista de forma igualitária, é preciso que o educador se atente a alguns detalhes:

– O autista gosta de rotinas e não é muito adepto de mudanças. Procure, então, apresentá-lo a alguma situação nova aos poucos, para que não haja surpresas para ele.

– Considerando que estamos nos referindo a um autismo leve, o aluno autista que está em uma escola regular pode ter alguma crise, seja ela motivada por alguma hipersensibilidade ou algo mais. Se você perceber algo, procure levá-lo a um lugar mais tranquilo para que ele possa se acalmar. Isso, em se tratando de barulho em excesso, mas existem outras possibilidades que podem ser contornadas com profissionalismo e muito carinho.

– Em momentos de crise, não a recrimine. Ofereça atenção e tenha paciência para poder solucionar o que a criança sente.

– Na hora de ensinar, você pode substituir as palavras em excesso por utilização de imagens. Isso é muito bom para que o aluno consiga absorver os conteúdos de maneira satisfatória.

– Toda criança gosta de receber elogios e com o pequeno autista não é diferente. A cada progresso feito, não pense duas vezes: elogie-o. Lembre-se que o estímulo é a peça-chave para bons resultados.

Que brinquedos podem estimular sua função pedagógica?

Jogos eletrônicos e figuras são ótimos itens para a criança autista, pois elas são muito ligadas às imagens. Além disso, ela pode se distrair e aprender algo novo através dos estímulos gerados pela utilização de brinquedos que usam imagens coloridas e divertidas.

O que levar em conta na hora de preparar alguma atividade?

Além do uso de imagens, determinante para os autistas, há outros itens que podem auxiliá-lo para absorver o conteúdo:

– Repetição: quando os professores repetem os conteúdos, o aluno tende a aprender mais. Isso também pode ser útil para outros estudantes, além de aproximá-los mais;

– Adaptação do tempo do aluno: não adianta exigir o mesmo tempo para todos os estudantes. No caso do autista, deixe-o resolver as questões no prazo que ele conseguir. Tenha certeza, ele está se empenhando para fazer o que se deve, só é preciso ter paciência;

– Estimular os cinco sentidos: para que a criança autista tenha conhecimento de seu próprio corpo.

Lembre-se que com muito amor, carinho e dedicação o autista pode se surpreender e alcançar progressos incríveis.

Deixe uma resposta para Marluciasuares Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *