Autismo e fala: o que é Ecolalia e como o fonoaudiólogo pode ajudar?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) pode se manifestar nos indivíduos de maneiras variadas. No entanto, podemos considerar que o aspecto comportamental é o mais afetado dentre todos aqueles que convivem com o transtorno.

Muitos não sabem, mas a fala está intrinsecamente ligada ao comportamento. Na esteira dessa habilidade está o que os especialistas chamam de ecolalia (ato de repetir palavras), como sendo uma característica relativamente presente na vida de uma criança com autismo.

O que é Ecolalia?

Ecolalia é um distúrbio de desenvolvimento da fala e da linguagem. A criança fica repetindo o que acabou de dizer ou então o que o interlocutor acabara de expressar através da comunicação verbal.

Quais são as principais consequências?

A ecolalia faz com que o pequeno não consiga se comunicar direito, além de atrapalhar na reciprocidade que ele criança terá que desempenhar no contato social; além disso, ela interfere nas dificuldades de entrar em contatos sociais com diferentes contextos que a vida social exige; entre outros.

Qual o papel da fonoaudiologia nesse processo?

Considerando que cada pessoa com autismo demonstra uma particularidade, dentro das variações reconhecidas do TEA, o primeiro passo dos terapeutas é identificar o que será tratado. Portanto, isto significa que a intervenção a ser proposta pelos fonoaudiólogos deve se pautar na individualidade do pequeno.

No caso da ecolalia, os especialistas trabalham de maneira que as formas pré-simbólicas conversacionais (como o grito, por exemplo) sejam diminuídas ou eliminadas. Os exercícios em questão visam ao desenvolvimento de mecanismos conversacionais de comunicação.

Importante ressaltar que para aquelas pessoas cuja fala (verbal) é uma habilidade existente, a intervenção passa a ser direcionada no desenvolvimento da compreensão e expressão verbal. Tudo isso é feito para motivar a autonomia e a independência da criança na hora de se comunicar.

Terapias reconhecidas

Vale ressaltar que os fonoaudiólogos também podem encontrar bases terapêuticas, programas ou ciências reconhecidas pela comunidade médica como a ABA (Análise do Comportamento Aplicada), TEACHH (Programa de Autismo) e o PECS (Picture Exchange Communication System).

A importância do auxílio multidisciplinar

Para contribuir ainda mais nesta etapa, especialistas da área da fonoaudiologia podem contar com o auxílio de analistas comportamentais para que o resultado seja completamente satisfatório.

Ambiente doméstico para ajudar a criança

Como vocês viram, a ecolalia é um problema de linguagem que precisa ter uma intervenção. Tal tratamento também deve ser adequadamente conduzido pelos pais em casa.

Deve-se afirmar que o primeiro ponto é não reforçar o que a criança acabara de repetir. Oriente o pequeno a fazer alguma atividade social ou lúdica, que o faça esquecer o vocábulo repetido;

O segundo ponto é sempre apresentar palavras novas para que a criança aumente consideravelmente o seu vocabulário. Isso é excelente para seu desenvolvimento, além de estimular a memorização.

Quando o baixinho pede algo para você e ele fica repetindo os mesmos pedidos, faça como no primeiro pedido e passe a dizer a ele que já fez o que fora solicitado e proponha uma nova atividade. Por meio desses caminhos, vocês estarão ajudando a diversificar a variedade de palavras.

 

 

Veja mais neste vídeo:

 

 

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *