Autismo na Família: Envolvimento do pai é fundamental para a saúde mental da mãe nos casos de Autismo

Estudos mostram que quando a mãe recebe apoio do pai, o ambiente melhora tendo maiores recursos emocionais.

 

 Sabemos como uma notícia de uma criança com Autismo na família pode desestruturar toda a organização familiar. Sabendo disso pesquisadores resolveram estudar o impacto das relações familiares. Assim estudos acham que o engajamento paterno junto ao bebê  é particularmente importante para a saúde mental da mãe  quando  a criança desenvolve autismo. Em entrevista ao Maternal and Child Health Journal , os pesquisadores mostraram associações entre o estilo de cuidado do pai quando um bebê tinha 9 meses e o aparecimento de sintomas maternos de depressão quando seu filho chegou aos 4 anos.  Estes seguiram os pais de 3.500 crianças, incluindo crianças com TEA e 650 crianças com outros transtornos de desenvolvimento.  Eles constataram que mães de crianças com TEA relataram muito menos sintomas de depressão quando seu filho tinha 4 anos no contexto onde os pais se envolveram muito mais nos cuidados e tiveram uma conduta mais ativa na condução compartilhada desta criança como acalmar o bebê ou levá-lo junto da mãe ao médico.  Por outro lado, os pesquisadores não viram diferenças significativas no comportamento da mãe nos casos onde a criança era neurotípica ou em caso de outros transtornos do desenvolvimento.

 

O envolvimento do pai nos cuidados de uma criança com TEA pode ser especialmente fundamental quando comparado com outras condições pois pesquisas prévias tem evidenciado que mães de autistas tem maior risco de estresse elevado, depressão e ansiedade do que outras mães.

 

A pesquisa traz implicações muito importantes mostrando como a mãe, sozinha, não tem plenas condições emocionais de dar conta de suprir as necessidades de seu filho com TEA.  O casal, unido, tem maiores recursos emocionais . Além do mais, a pesquisa reflete , indiretamente, que o envolvimento de mais componentes da família (avós, tios, madrinhas, primos, etc.) tem papel significativo na estabilização de um ambiente mais confortável para a mãe ao ser confrontada com o desafio de conduzir seu filho com TEA

 

  • Realmente td que esta escrito ai aconteceu.Se nao tivesse meu marido comigo nao saberia q fazer.msm assim tive um surto de cansaço emocional tremendo…..Mas Deus e meu esposo eminha familia me apoiaram mt e fundamental.

  • Antes de tudo mil parabéns pelo site informativo e motivador site..
    Desejo publicar esta foto maravilhosa da criança sendo beijada pelos amorosos pais, a quem dever fazer referência ?. Encontro o artigo mas não o nome do autor. Claro… adorei tudo, inclusive outras fotografias e imagens. Será suficiente referenciar apenas o esplendoroso site http://localhost:8888/autismo/ ?
    Acadêmico Cléber Bidegain Pereira.
    Editor Chefe da Revista da Academia Brasileira de Odontologia
    http://www.rvacbo.com.br

    EM TEMPO publiquei em NOTÍCIA do 1º Congresso Nacional onlide … http://www.rvacbo.com.br/ojs/index.php/ojs/

  • Gostei muito do artigo, acredito que sim a presença do pai é de fundamental importância para o equilíbrio da mãe, porem isso em se levando em conta uma situação normal de pai dedicado responsável, pois no caso de um pai que não aceita o comportamento do filho e fica criando conflitos querendo que o filho seja igual a todos e além disso bebe e não tem trabalho regular, nesse caso acaba sobrecarregando a mãe e tira o foco dela do filho fazendo com que ela tenha tantos problemas que não consiga da a atenção que o filho necessita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *