Autismo Sintomas e Diagnóstico

No Autismo sintomas auxiliam na compreensão do quadro diagnóstico

O Autismo apresenta vários sintomas, estes sintomas do Autismo (TEA) auxiliam muito na compreensão do quadro, ajudando no processo diagnóstico. Alguns destes sintomas são: problemas significativos de comunicação interativa-social e comportamentos repetitivos com interesses restritos.

Em maio de 2013 foi lançada a quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), que trouxe algumas mudanças importantes, entre elas novos diagnósticos e alterações de nomes de doenças e condições que já existiam. Nesta nova classificação diagnóstica segundo o DSM 5, vemos que:

1) os problemas de linguagem foram incluídos nos problemas de comunicação e o Transtorno de Asperger foi retirado como termo de um tipo de autismo e absorvido pelos critérios atuais;

2) a Síndrome de Rett não faz mais parte integrante da classificação dos TEA por ter características motoras, corporais e ortopédicas mais se parecendo com uma doença degenerativa do que neuropsiquiátrica;

3) não se estabelece mais uma idade limite para o aparecimento dos sintomas apenas ressaltando que devem ocorrer em fase precoce da vida;

4) que o aparecimento dos sintomas podem acontecer aos poucos, de forma irregular, até que se tornem incompatíveis com um funcionamento social ou adaptativo aceitáveis.

Além destas observações atualizadas, os sintomas do Autismo ajudam a auxiliar na avaliação de crianças com suspeita de problemas de desenvolvimento no que tange averiguar a possibilidade de autismo no âmbito das políticas de vigilância em saúde mental desde os primeiros anos de vida. Estes critérios servem como uma forma organizada e sistematizada de lembrar aos médicos e não-médicos os sintomas e sinais que devem chamar atenção caso a criança venha a desenvolver estas características e devem ser um elemento a mais no processo de investigação diagnóstica.

Autismo Sintomas e Critérios Diagnósticos do DSM-5 para o Transtorno do Espectro Autista (TEA).

A – Inabilidade persistente na comunicação social e na interação social nos mais variados contextos, não-justificados por atraso geral no desenvolvimento, e que se manifesta por 3 características a seguir:

  1. Déficits na reciprocidade sócio-emocional;
  2. Déficits nos comportamentos não-verbais de comunicação usuais para a interação social;
  3. Déficits nos processos de desenvolver e manter relacionamentos.

B – Padrões restritos, repetitivos de comportamento, de interesses ou atividades manifestado por, pelo menos, 2 dos seguintes itens:

  1. Fala, movimentos motores ou uso de objetos de forma repetitiva ou estereotipada;
  2. Adesão excessiva a rotinas, rituais verbais ou não-verbais, ou excessiva resistência `a mudanças;
  3. Interesses fixos e altamente restritos que são anormais em intensidade e foco;
  4. Hiper- ou hipo-reatividade para percepção sensorial de estímulos do ambiente ou interesse anormal e excessivo para estímulos senso-perceptivos.

 

C – Tais sintomas devem estar presentes em fase precoce da infância (mas podem aparecer aos poucos, em ordem ou sequência incompleta, progressivamente levando a problemas nas demandas sociais ).

 

D – Sintomas, em conjunto, limitam ou impossibilitam o funcionamento no cotidiano.

 

Deve-se ressaltar que no autismo sintomas são apresentados de de forma heterogênea, ou seja, muito particular em cada criança e que varia intensamente quanto ao grau de comprometimento, associação ou não com deficiência intelectual e com presença ou não de fala. Estas variações e o momento do diagnósticos definem a resposta aos tratamentos e se a evolução será favorável ou não.

O diagnóstico do Autismo (TEA) depende de fatores:

1) conhecer profundamente os Autistas sabendo seus sinais e sintomas;

2) observar o comportamento da criança em casa, com os pais, na escola, no parque, enfim, em todos os ambientes que tenham crianças e adultos participando de preferência;

3) verificar fotos, vídeos, gravações realizadas na escola e em aniversários;

4) solicitar relatórios das escolas, creches e estes responderem com detalhes e com informações significativas (podendo até se utilizar de escalas de avaliação já citadas para facilitar e padronizar esta tarefas pois `as vezes a escola nem sabe o que descrever e ressaltar);

5) conversar muito com os pais a fim de explicar bem o diagnóstico e a importância de tratá-lo.

Quer assistir uma aula sobre Autismo e DSM 5 CLIQUE AQUI

No tocante ao último item, é comum, ao ouvirem que seu filho tem autismo, os pais não aceitarem e buscarem outras opiniões, o que é normal e aceitável dado a gravidade da notícia. Mas, infelizmente, por desconhecimento e desinformação e até por medo ou, ainda, por relutar a confirmar este diagnóstico, muitos profissionais negam ou omitem esta possibilidade aos pais o que pode retardar o tratamento e comprometer o futuro da criança de forma irreversível. É muito importante, portanto, que esta criança seja avaliada por equipe interdisciplinar ou por profissionais especializados onde a confiança no diagnóstico será confidencialmente maior e proporcionará o direcionamento mais rápido das prioridades terapêuticas.

Ainda é muito importante, por fim, considerar que o Autismo (TEA) – depedendo de caso a caso – associa-se muito frequentemente a outras condições neuropsiquiátricas como hiperatividade, agressividade, distúrbios de sono, problemas de coordenação motora, epilepsia, fobia social, deficiência intelectual, transtornos de linguagem, transtornos do espectro obsessivo-compulsivo e também a condições médicas, como: alergias alimentares, disfunções imunológicas, distúrbios gastrintestinais .

A variabilidade individual é marcante pois as causas envolvidas no desenvolvimento do TEA também são diversas e o curso de aparecimento e gravidade no Autismo sintomas são múltiplos e complexos. Outrossim, pode variar também o nível intelectual, a presença ou não de fatores neuropatológicos (encefalopatias, paralisias cerebrais, sequelas hipóxico-isquêmicas, deficiências áudio-visuais, etc.) e o modo de instalação dos primeiros sintomas (súbito, lentamente progressivo ou regressivo).

QUER SABER O QUE É O AUTISMO E DEFINIÇÃO CLIQUE AQUI.

O Artigo: Autismo Sintomas e Diagnóstico é uma publicação do site Entendendo o Autismo, seu compartilhamento é permitido desde que a fonte seja citada

 

  • Muito bom esse artigo. Você mesmo escreveu por conta ou tem referências gringas?

    Dificil achar conteúdo de qualidade assim nos blogs brasileiros. Parabéns mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *