Características cognitivas do autismo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) tem entre seus sintomas uma série de indicações que já são do conhecimento de muitas pessoas. Quem acompanha nossos artigos pode citar um deles, por exemplo: estereotipia, dificuldade para interagir socialmente, linguagem verbal deficitária ou maneirismos. No entanto, se existe uma característica do autismo que interfere de forma determinante, ela é a cognição.

O aspecto cognitivo é de extrema importância para todo e qualquer ser humano, pois, por meio dele, o indivíduo dispõe da capacidade de realizar suas funções executivas, para citar apenas uma situação que demonstra o seu impacto na vida de todos nós. Sendo assim, vejam o que ele significa.

O que é cognição?

Podemos defini-la como um processo de aquisição do conhecimento o qual é realizado através de habilidades imprescindíveis para a autonomia de uma pessoa, a saber: raciocínio, memória, linguagem, associação, percepção, atenção, memória, juízo e imaginação. Em outras palavras, a cognição é a maneira que o cérebro age a partir das informações captadas pelos sentidos do corpo.

Embora pareça bem simples, a verdade é que o aspecto cognitivo é algo bastante complexo, tendo em vista as correlações existentes entre a cognição e a autonomia do indivíduo. Por esse motivo, falar sobre as características cognitivas do autismo é essencial.

Qual é o impacto da cognição no TEA?

Tomemos como exemplo uma criança com autismo. Quando ela estuda em uma turma regular, o educador precisa compreender que nem todo estímulo será suficiente para induzir o aluno em questão a participar da aula, pois alguma parte da cognição pode se encontrar em déficit.

Muitas vezes, a linguagem verbal pode apresentar algumas carências em detrimento de algumas funções executivas da mesma criança. Para esclarecer mais, vale citar também que dependendo do grau do transtorno e até mesmo do tempo em que o pequeno recebe as intervenções de especialistas, dois estudantes com TEA podem manifestar sinais completamente diferentes. Esse aspecto é único e cada pessoa apresenta uma característica.

Por que crianças com autismo podem ter talentos excepcionais?

As características cognitivas do autismo são realmente peculiares. Isso se deve ao fato de algumas áreas da cognição ficar preservada. O resultado disso é um desenvolvimento altamente acentuado de determinadas habilidades, com destaque para as artes e as ciências exatas.

Na linguagem ocorre uma situação diferente, pois se por um lado a criança tende a adquirir o conhecimento de palavras rebuscadas e bem distante de sua realidade infantil; por outro, podemos salientar que o pequeno não saberá utilizá-las em um contexto adequado, uma vez que essa habilidade apresenta déficits.

Como é o aprendizado da criança com autismo?

A aprendizagem é caracterizada por ser fragmentada, ou seja, o raciocínio de um aluno com TEA muitas vezes não completa diferentes partes de um todo. Não é algo integral, o que pode ser notado também pela tendência desse público a preferir atividades rotineiras e completamente repetitivas.

Existem maneiras de mudar essa situação?

É sabido por todos que o TEA não tem cura. Essa informação deve ser sempre divulgada. Porém, há formas de se trabalhar essas características cognitivas por meio de intervenções que visem ao desenvolvimento desse conjunto de habilidades. Vale lembrar quanto mais precoce for o tratamento, maiores serão as chances de o paciente obter resultados satisfatórios.

Qual o tratamento mais indicado?

A melhor intervenção é aquela indicada por um especialista. Assim como em todos os casos de autismo, o acompanhamento multidisciplinar é sempre a melhor alternativa por contar com profissionais de áreas diversas como fonoaudiologia, psicologia, psicopedagogia, terapia ocupacional e outras que trabalharão as habilidades dos pacientes.

 

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *