Características da Hiperlexia em Autistas

Os distúrbios que compõem o grupo do TEA (Transtorno do Espectro Autista) ainda suscitam muitas dúvidas entre pais, professores e vários profissionais de diferentes áreas, principalmente aquelas voltadas para a saúde. O assunto de hoje tenta debruçar sobre as características da hiperlexia em autistas.

O autismo por si só é responsável pela preocupação de todos os adultos que tenham, em seu convívio, alguma criança que fuja do comportamento adequado. No entanto, não podemos generalizar a conduta de uma pessoa com o transtorno pelo fato de cada uma delas apresentar uma peculiaridade. Embora todas elas demonstrem uma nítida dificuldade de interação.

No caso da hiperlexia, por exemplo, o autista pode ter facilidade notável com a habilidade da leitura; por outro lado, a comunicação oral é, na maioria das vezes, bem aquém do esperado. Esse caso é corriqueiramente confundido com a síndrome de Asperger. Atenção para não confundir.

 

Talvez a associação se deva ao fato de a criança ter facilidade para reunir as sílabas, formar palavras e até ler uma frase inteira. Lembrando, no entanto, que a informação lida nem sempre é compreendida pelo pequeno, o que deslegitima qualquer justificativa equivocada de que tal habilidade tenha origem em algum método de ensino.

O detalhe que precisa ser levado em conta é de que a hiperlexia em autistas deve ser acompanhado por profissionais. As intervenções são multidisciplinares e requer muita participação dos pais.

Veja abaixo os detalhes das características manifestadas pelas crianças:

– Pessoas diagnosticadas com hiperlexia costumam demonstrar facilidade para identificar os símbolos (letras isoladas). Tudo isso a partir dos 18 meses de vida. Aos três anos, as crianças já conseguem formar palavras e até ler algumas frases; capacidade precoce;

– Contudo, os pequenos têm grandes dificuldades em lidar com a comunicação oral e a identificação de fonemas;

– Problemas para a interação com outras pessoas;

– Os testes de Q.I. feitos em uma criança hiperléxica dão resultados mais favoráveis a ela do que em autistas sem esse distúrbio;

– Inadequação para o uso das palavras quando usadas na fala;

Importante saber

Apesar das características apontadas, a capacidade de leitura precoce pode ser um importante meio de comunicação.

O que causa a hiperlexia?

Ainda não existe um consenso entre estudiosos acerca do transtorno, o que dá margens para muitas teorias. No entanto, alguns pesquisadores vêm, há décadas, trazendo hipóteses para o que deve ser a causa da hiperlexia.

O que fazer?

Procurar acompanhamento especializado com profissionais que podem oferecer todo o suporte para a saúde mental da criança; assim como a habilidade de interação do pequeno.

O aluno hiperléxico e autista no ambiente escolar

Embora a inclusão seja ideal para a vida de uma pessoa, a vida acadêmica do estudante estará condicionada à evolução do transtorno associado ao autismo. Como cada paciente apresenta uma característica peculiar, é aconselhável conversar bastante com os profissionais que oferecem a intervenção. Somente com o aval deles,  torna-se possível uma resposta sobre a situação escolar da criança.

O que os pais jamais devem se esquecer é que eles podem e devem estimular o contato do pequeno com os demais colegas e familiares da mesma faixa etária. A interação com os outros pode ser algo construído.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *