Classificação de cores no Autismo

O autista tem uma percepção diferenciada acerca de muitas coisas. Com as cores não é tão diferente, ressaltando a peculiaridade de cada pessoa frente ao estímulo que determinadas tonalidades podem exercer.

Mostraremos neste artigo como é a classificação de cores em pessoas diagnosticadas com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), além de algumas dicas para ensiná-las a alunos com a síndrome.

Por que o símbolo do autismo é azul?

O assunto aqui é cor, então nada mais oportuno que explicar o porquê do azul como símbolo do autismo. Vocês já devem ter notado em sites, redes sociais e até em monumentos públicos que em todo mês de abril ocorre a conscientização e que, além disso, a coloração azulada é usada para referenciar a causa.

A resposta para isso é simples: o número de meninos autistas é muito maior do que em meninas. A proporção é de quatro pacientes masculinos para uma feminina (considerando o que muitos conhecem por autismo clássico); e de dez crianças masculinas a cada uma paciente do sexo oposto (nos casos de alta funcionalidade).

As cores no TEA

É importante salientar que os diversos tons existentes em nossas vidas exercem efeitos diferentes. Em pessoas com o TEA, os especialistas aproveitam essa questão para estimulá-las e trabalhar outras habilidades cognitivas e sociais.

No entanto, vale ressaltar que algumas cores também podem afastar completamente qualquer possibilidade de aproximação do autista, tendo em vista a sensibilidade visual (tanto a hipersensibilidade quanto a hipossensibilidade) que deve ser levada em conta. Há casos de pacientes que ficam sobrecarregados visualmente quando estimulados.

A complexidade da síndrome faz com que o indivíduo com autismo tenha uma menor discriminação cromática em relação àqueles que não têm o TEA. No entanto, tudo isso entra na questão da característica que cada um traz consigo; ou seja, não se pode generalizar. Cada caso é diferente.

O efeito que o laranja, o amarelo e o azul desempenham

Agora é hora de saber o papel que algumas cores representam em pacientes autistas. Elas são responsáveis por um processo de desenvolvimento das crianças. Veja o porquê:

Laranja e amarelo: esses tons despertam a sociabilidade dos pequenos e são indicados também para estimular o bom humor;

– Azul: além de colorir o símbolo de conscientização sobre o autismo, a cor é ideal para influenciar a comunicação verbal das pessoas, assim como para deixá-las mais calmas e equilibradas. O bem-estar também é proporcionado.

Como ensinar as cores para alunos autistas?

É preciso ter muita cautela ao apresentá-las aos estudantes com autismo, lembrando que algumas tonalidades podem até fazer mal a eles. Veja algumas dicas:

– Trabalhe com cada uma separadamente. O ideal é que as crianças possam desenvolver a percepção gradativa dos tons;

– Não disponibilize muitas opções de uma vez. É interessante que o aluno não seja estimulado com muita rapidez. A cautela é sempre melhor;

– Por fim, mas não menos importante, é aconselhável evitar cores muito fortes e que tendem a interferir na aprendizagem. Isso também pode deixar os pequenos bastante confusos.

 

Já pensou aprender profundamente sobre o Autismo para melhorar seus atendimentos clínicos, entender melhor seu filho e saber por que seu aluno apresenta determinado comportamento e como trabalhar o processo de inclusão? Em um curso online completo o Dr. Clay Brites te ensina tudo sobre TEA com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *