Como a Análise do Comportamento Aplicada (ABA) pode ajudar seu filho?

Há alguns anos a ciência tem avançado de forma considerável nas descobertas e aperfeiçoamentos de pesquisas voltadas para as intervenções do TEA (Transtorno do Espectro Autista). Dentre as medidas tomadas, podemos destacar a ABA (applied behavior analysis – análise do comportamento aplicada).

Difundida no meio científico, a ABA pode ser definida como um ramo da análise do comportamento, uma ciência muito estudada dentro da psicologia. Interessante dizer que a linha voltada para a ciência aplicada é justamente a que corresponde à ABA.

A preocupação no tratamento do autismo é algo relativamente antigo. Porém, é verdade que o desenvolvimento de novas análises, acerca dos sintomas e comportamentos manifestados pelos pacientes, traz experiências e relatos científicos bem fundamentados para todos.

Sendo assim, a ABA tem apresentado resultados satisfatórios por meio de procedimentos e estudos que visam à resolução de problemas que atingem os aspectos sociais dos indivíduos. Incluindo os casos dentro do autismo.

ABA: um breve histórico

Ao longo de mais de 50 anos de pesquisas científicas, controladas e confiáveis, foram descobertos diversos princípios básicos que influenciam o comportamento humano. Dois exemplos que podem ser citados são os seguintes: a descoberta de que diferentes tipos de consequências podem aumentar ou diminuir a probabilidade de comportamentos ocorrerem no futuro.

Além disso, foi descoberto também que diferentes tipos de condições antecedentes, motivadoras ou não, aumentam ou diminuem as chances de determinadas ações comportamentais acontecerem.

A partir desses e de outros princípios, uma série de tecnologias foram elaboradas para desenvolver repertórios de comportamentos saudáveis e eficazes nas mais diversas populações. A Análise do Comportamento Aplicada pode ocorrer com diversas populações e em diversos contextos. Onde houver comportamento humano, pode haver a ABA.

Atenção: ABA não é um método

A ABA não é um método ou pacote de intervenções fechado, ela é uma área de investigação e aplicação dinâmica que evolui na medida em que novos princípios comportamentais são descobertos por meio de pesquisas científicas da Análise do Comportamento. Tudo bem, mas onde entra o autismo? Um dos principais processos comportamentais estudados pela Análise do Comportamento, como um todo, é a aprendizagem.

Quando a ABA ganhou popularidade?

Como um ramo da ciência aplicada, a análise do comportamento aplicada era utilizada em diversos espaços para determinados fins. A ABA passou a ser operada em instituições de educação, empresas, terapias e outros segmentos da sociedade que encontravam nessa ciência os parâmetros para as finalidades almejadas.

Somente na década de 1980 começaram a surgir levantamentos acerca dos benefícios que a ABA trazia para as intervenções direcionadas no tratamento do autismo. Estados Unidos e Reino Unido foram os primeiros países a popularizar a aplicação da ABA para trabalhar com pacientes incluídos no TEA. A partir de então, muitas terapias passaram a utilizar a ABA como base para as pessoas submetidas ao tratamento dos sintomas do autismo.

Tratando os sintomas do TEA

As terapias baseadas na ABA procuram estabelecer uma análise detalhada dos comportamentos da criança. A prerrogativa é a observação dos aspectos comportamentais, tanto aqueles que estão em déficit (habilidades da linguagem e interação social) quanto os que apresentam excesso (estereotipias, atitudes agressivas, interesses restritos a determinados objetos ou assuntos; apegos a rotinas, entre tantos outros).

A partir dessa observação, o terapeuta procura direcionar as intervenções para as demandas apresentadas pelo paciente. Estabelece-se aí um plano ideal que procure oferecer o tratamento à criança.

Os parâmetros dos tratamentos baseados na análise do comportamento aplicada objetivam ensinar o que está em déficit e reduzir de forma considerável o que está em excesso. Portanto, é preciso reiterar que essas intervenções são eficazes quando aplicadas de maneira precoce e abrangente, incluindo aí todos os grupos sociais e ambientais que fazem parte da vida do pequeno.

Outra informação indispensável é que esses planos de intervenção são reavaliados com periodicidade a fim de que haja uma análise acerca dos resultados obtidos.

O que seu filho pode conseguir com as terapias baseadas na ABA?

Pesquisas realizadas afirmam que as terapias utilizando a ABA correspondem a 80% dos casos cujos resultados apresentam evolução entre bom e excelente. Isso significa que essas pessoas conseguem suprir consideravelmente seus antigos déficits, além de reduzirem comportamentos que antes ocasionavam problemas de interação social.

Um fato curioso é que tais terapias, sob a Análise do Comportamento Aplicada, são eficazes a ponto de as crianças conseguirem progressos nos mais diferentes espaços sociais, necessitando de pouca ou nenhuma ajuda. Como mencionado anteriormente, essas intervenções procuram trabalhar disciplinadamente aspectos ligados a habilidades da linguagem e da sociabilidade.

As crianças podem obter os seguintes progressos:

– Permitir que a pessoa com Autismo se relacione melhor em casa de familiares, escola ou na rua;
– Ensinar novas habilidades e/ou como “desaprender” comportamentos negativos, como agressividade e estereotipias;

– Ampliar a capacidade cognitiva, motora, de linguagem e de integração social;
– Aperfeiçoar as habilidades positivas que a criança ou adolescente com Autismo tem de melhor.

A ABA como base para outros tratamentos

O caso de seu filho pode estar incluído no TEA ou outros transtornos, distúrbios e situações que dependam de uma terapia específica. A ABA pode servir de embasamento para os terapeutas. Isso porque a ciência em questão é abrangente a ponto de oferecer parâmetros para as demandas apresentadas pela criança, adolescente ou adulto.

O ABA é uma abordagem simples. Mas não é algo que se encontra com facilidade por aí, principalmente em faculdades. Ele também não pode ser aplicado por quem “acha” que sabe o que está fazendo.

Quem trabalha essa abordagem deve aprender a como planejar e executar cuidadosamente cada etapa, utilizando as atividades da criança em todos os ambientes frequentados por ela: escola, casa, lazer, etc.

Com o Programa GUIA ABA, criado pelo psicólogo e especialista em Análise do Comportamento Aplicada Felipe Tardem, você tem a possibilidade de se tornar uma pessoa apta a aplicar a abordagem com seu filho, paciente ou aluno para ter resultados concretos em curto e longo prazo.

 Clique no banner abaixo para ter acesso ao programa:

 

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *