Como avaliar em casa as habilidades de leitura e escrita no autismo

A avaliação das habilidades de leitura e escrita no autismo deve ser multidisciplinar, feita por fonoaudiólogos, neuropsicólogos e psicopedagogos. Saiba mais neste artigo.

A criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA) apresenta algumas dificuldades comportamentais e cognitivas que influenciam no seu aprendizado. Dessa forma, é imprescindível que a escola tenha o cuidado de fazer adaptações curriculares e encontre os melhores métodos de alfabetização e de avaliação das habilidades de leitura e escrita dos alunos com autismo.

A inclusão dos alunos com necessidades especiais requer estratégias de ensino que considerem não só as dificuldades da criança, mas também suas habilidades. Ainda que seja um desafio para os professores encontrar a melhor forma de ensinar seus alunos com autismo, é importante lembrar que o apoio da família e de profissionais que trabalham com a criança é fundamental.

Da mesma forma, a avaliação das habilidades de leitura e escrita no autismo requer um olhar multidisciplinar para garantir o desenvolvimento do processo de aprendizagem da criança. Entenda melhor, neste artigo.

Alfabetização no autismo

Antes de abordar a avaliação da leitura e da escrita, é importante falar sobre a alfabetização no autismo. A metodologia fônica é a que tem mais fundamentação científica para alfabetizar crianças com Transtorno do Espectro Autista e outras deficiências associadas.

A metodologia fônica trabalha com o som das letras, ou seja, as crianças são alfabetizadas através da sonorização da letra, por isso o nome método fônico. Utilizando essa metodologia na alfabetização, a criança aprende a soletrar e a separar as sílabas, adquirindo a consciência fonológica.

A metodologia fônica parte do pressuposto de que o som das letras é melhor assimilado no cérebro. No Brasil, existem várias pesquisas que indicam a metodologia fônica para alfabetização no autismo, pois é segura e eficaz — como os estudos do Fernando Capovilla, Alessandra Seabra, entre outros, demonstram.

A metodologia fônica respeita o desenvolvimento cerebral e cognitivo, ou seja, o modo como aprendemos a ler e a escrever. Ao apresentar o som da letra para a criança, ela consegue decodificar letra e sons e associá-los com outras formas de escrita. 

Com a metodologia fônica, o processo de alfabetização se torna mais simples, adequado e efetivo para as crianças com autismo.

Avaliação das habilidades de leitura e escrita no autismo

A avaliação das habilidades de leitura e escrita no autismo envolve um trabalho multidisciplinar. Isso porque engloba diferentes habilidades cognitivas e cada criança deve ser avaliada em suas dificuldades específicas.

Pode ser que a criança com autismo tenha mais dificuldade com trocas de letras ou com erros ortográficos, por exemplo, e essas característica de cada um devem ser consideradas na avaliação.

A leitura e a escrita são habilidades da linguagem, uma área trabalhada pela fonoaudiologia. Por isso, é muito importante a participação do fonoaudiólogo na avaliação.

Outro profissional importante é o neuropsicólogo, que irá avaliar os processos ligados à atenção, os processos mnemônicos, a memória e como se faz o processamento da leitura e da escrita no autismo.

A avaliação pedagógica é feita por uma psicopedagoga, capaz de avaliar os aspectos de funcionamento da leitura, o ritmo, a entonação, a compreensão do processo de leitura, os erros mais comuns, dentre outros aspectos. 

O papel do psicopedagogo na avaliação das habilidades de leitura e escrita

O diagnóstico psicopedagógico é fundamental na educação das crianças com autismo. Isso porque ele reúne informações necessárias sobre cada criança que se tornam referências para criar e implementar as estratégias de intervenção na escola.

A psicopedagogia é um campo de atuação que lida com os processos da aprendizagem, analisando padrões normais e patológicos, que considera o meio e as interações sociais. Dessa forma, ajuda nas dificuldades que surgem no processo de aprendizagem da criança com autismo, como na avaliação das habilidades de leitura e escrita. 

A avaliação pedagógica ajuda no desenvolvimento da criança, encontrando pontos onde precisa melhorar suas habilidades, promovendo suas capacidades de aprender. O currículo adaptado e personalizado é essencial para guiar essa avaliação, que será feita a partir das características e potencialidades do aluno com autismo.

O mais importante na avaliação das habilidades de leitura e escrita no autismo é abordar diferentes áreas, por isso o trabalho multidisciplinar. Cada criança é única e tem demandas especiais, no autismo não é diferente. O processo de aprendizagem deve fazer sentido por isso é tão importante considerar as características de cada aluno.

Conhece mais dicas para avaliar as habilidades de leitura e escrita no autismo? Deixe seu comentário.

 

Referências:

MENOTTI, Ana Rubia Saes; DOMENICONI, Camila  and  BENITEZ, Priscila. Atividades aplicadas pelos pais para ensinar leitura para filhos com autismo. Psicol. Esc. Educ. [online]. 2019, vol.23 [cited  2020-07-28], e185073. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572019000100307&lng=en&nrm=iso>.  Epub Aug 05, 2019. ISSN 2175-3539.  https://doi.org/10.1590/2175-35392019015073.

BARBOSA, Maria Jose de Sousa. Avaliação psicopedagógica de uma criança autista. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 03, Vol. 03, pp. 53-68. Março de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/avaliacao-psicopedagogica

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *