Como a terapia pode melhorar a interação social no Autismo?

O assunto de hoje é sobre o poder que a terapia exerce na interação social de uma criança com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). A socialização é um fator de extrema importância para todos nós.

O valor da interação social está no desenvolvimento infantil, pois muitas habilidades cognitivas e adaptativas se completam durante a infância; principalmente quando tais práticas acontecem durante o convívio e o compartilhamento de experiências com outras crianças.

Terapias que são importantes para crianças com autismo

As terapias que ajudam no desenvolvimento das crianças podem ser aquelas que trabalhem a fala, a psicomotricidade, o aspecto pedagógico, entre outros. Nota-se que a equipe deve ser multidisciplinar por contar demandas distintas.

O legal de fazer essas terapias é que tais intervenções não oferecem apenas condições de aprimorar a interação social, mas a despertar a criatividade através de brincadeiras e outras atividades lúdicas.

O que pode atrapalhar a interação social do pequeno com autismo?

É importante reiterar que a interação social no autismo pode ser prejudicada e cheia de déficits pelos motivos mais variados possíveis. São eles:

– Problemas sensoriais;

– Atraso de linguagem;

– Dificuldades para usar formas de comunicação e de perceber sentimentos, gestos e faces humanas.

Como incentivar a interação social?

A criança deve ser sempre colocada em atividades sociais, saindo de casa e indo para ambientes onde tem outras crianças, sejam elas com autismo ou não.

Qual o papel dos pais nesse processo?

É fundamental que os adultos estejam junto de suas crianças. Os pais devem buscar auxílio antes de qualquer coisa. A ajuda deve ser psicoterápica comportamental, além da presença do médico para intervenções dirigidas. Tudo isso para trabalhar comportamentos difíceis e direcionar para essas habilidades para o socialmente adequado.

O apoio da família é fundamental para a compreensão de possíveis ocorrências negativas que acontecem na vida da criança. Os familiares também contribuem para a diminuição de medos e fobias específicas.

Por falar em fobias, sabia que elas podem gerar repúdio da criança impedindo-a de encarar novos ambientes ou até lugares com os quais ela já tinha se habituado? Por isso os pais, junto com especialistas, podem contribuir positivamente para o desenvolvimento do pequeno na interação social.

A escola é um ambiente ideal?

Sim. A escolarização pode ajudar muito no auxílio a este processo. Vale deixar claro que a instituição sempre oferece atividades lúdicas; assim como momentos de recreação, compartilhamento de tarefas, alimentação variada e direcionamento para regras e rotinas. Isso é muito bom para ensinar-lhes o valor que tem a disciplina para a vida.

A escola precisa ser completamente compreensiva para receber os alunos e seus pais. É fato que existe um déficit considerável na qualificação de educadores. Contudo, este cenário está passando por transformações e cada vez mais cresce o número de profissionais da educação que procuram se especializar em cursos que enfoquem a acessibilidade.

Além disso, os professores podem trabalhar a temática inclusão em suas turmas para que as demais crianças cresçam com a consciência de que o aprendizado pode vir nas diferenças de outros coleguinhas. Atitudes como essas ajudam o pequeno a se desenvolver e a não sofrer tanto na escola com os bullying.

 

Já pensou aprender profundamente sobre o Autismo para melhorar seus atendimentos clínicos, entender melhor seu filho e saber por que seu aluno apresenta determinado comportamento e como trabalhar o processo de inclusão? Em um curso online completo o Dr. Clay Brites te ensina tudo sobre TEA com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

 

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *