Comportamento desatento no TEA: como ajudar?

O comportamento no TEA (Transtorno do Espectro Autista) é algo que não pode ser tomado como algo único, ou seja, um grupo de características fechadas. Esse detalhe deve ser pensado pelo fato de muitos pacientes que vivem com autismo apresentarem peculiaridades acerca dos sinais e sintomas. Sendo assim, um dos pontos que precisam ser acompanhados de perto é o comportamento desatento.

O que fazer para lidar com essa situação?

A melhor maneira para contornar esse quadro de desatenção é a procura por especialistas para auxiliar a criança e o adolescente na condução de seus eventuais problemas ligados a esse comportamento no TEA.

Médicos e terapeutas são indicados para recomendar aos pais as melhores intervenções voltadas para o bem-estar do paciente e da família. No entanto, a criança que apresenta essa desatenção dentro do espectro autista pode ter relacionado o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Então, o que fazer?

TEA e TDAH: comorbidade que influencia

O comportamento no TEA com base no TDAH é um dos principais fatores que influenciam no sintoma da desatenção nos pacientes. Mas essa correlação já é estudada pelos pesquisadores. Em artigos anteriores, divulgamos uma pesquisa (Hospital Infantil de Boston – EUA) que relacionava o TEA e o TDAH, vejam a seguir alguns dados:

– Em média, as crianças que foram inicialmente diagnosticadas com TDAH receberam o diagnóstico de autismo 3 anos mais tarde do que aquelas que conviviam com TEA mas não tinham sido diagnosticadas com TDAH.

– Aproximadamente 1 em cada 5 crianças diagnosticadas com autismo já tinham um diagnóstico do TDAH.

– Em geral, as crianças com TDAH eram quase 30 vezes mais propensas a receber o diagnóstico de TDAH após os 6 anos de idade.

– O atraso no diagnóstico mostrou-se verdadeiro, independentemente da idade da criança ou da gravidade dos sintomas do autismo.

O estudo foi realizado contou com 1.500 pacientes, com idades variando entre 2 e 17 anos e que apresentavam algum espectro do autismo.

Como lidar com o comportamento desatento na escola?

O comportamento no TEA, marcado pelo aspecto desatento, pode ser trabalhado na escola com o auxílio de uma equipe multidisciplinar contando com pedagogos, psicopedagogos, psicólogos, analistas comportamentais, educadores físicos, entre outros.

Atividades que trabalhem com algo atraente para o interesse da criança são as alternativas mais indicadas. Por exemplo, se o pequeno gosta de jogos, então o planejamento pedagógico pode procurar dar um enfoque nesse quesito.

No entanto, é importante que os professores conversem com os pais do aluno para conhecer um pouco mais sobre o que a criança gosta ou não. Isso é válido também para os adolescentes.

Comportamento no TEA em casa

Com a orientação de especialistas, a condução dos pequenos em casa tende a ser proveitosa a partir de uma série de recomendações que visem ao desenvolvimento de algumas habilidades.

O uso de medicação é recomendado?

Somente sob supervisão profissional. Lembremos que é necessário o acompanhamento de especialistas, pois a partir da análise de cada caso eles indicam medicamentos necessários para o tratamento.

Importante saber

É preciso que pais, mães e profissionais entendam que a desatenção da criança ou adolescente não é proposital. Sendo assim, cada vez que surgir algum episódio desses no TEA, TDAH e outros transtornos, a melhor solução é procurar contornar essa situação com muita calma. O próximo passo é conduzir seu filho ao que precisa ser feito. A dedicação deles depende de vocês adultos. Procure auxílio profissional.

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *