A consciência fonológica no TEA

Se existe um exercício que deve ser praticado por toda criança, podemos dizer que é aquele voltado para a alfabetização. Para um pequeno que seja autista, então, esse estímulo só tende a contribuir de forma muito positiva em seu desenvolvimento. A consciência fonológica prova isso muito bem quando utiliza práticas que induzem e ensinam a pessoa na fase infantil.

No entanto, é preciso pontuar algumas questões que têm influência direta e indireta na educação da criança com espectro autista. Para começar, é importante salientar que cada aluno em questão necessita de uma metodologia que o acompanhe e o auxilie. Sendo assim, nunca podemos utilizar uma didática geral para crianças autistas.

Outra dica para o desenvolvimento no TEA é o uso de exercícios que despertem atenção nas crianças. De nada adianta promover o processo de alfabetização com atividades que afastem os pequenos do interesse que eles devem ter.

A importância da consciência fonológica para a criança com TEA

Você já ouviu falar em consciência fonológica? Se a resposta for sim, o que você sabe sobre ela? Bom, estas perguntas são importantes para quem deseja conhecer mais sobre esse importante passo na alfabetização da criança.

A consciência fonológica é quando há o conhecimento, por parte do aluno, dos sons pertencentes à língua. Vale salientar que durante a alfabetização, o aprendizado dos sons conta muito para a absorção do conteúdo pelo aluno. Outro fator que auxilia de forma muito proveitosa o autista infantil é o aspecto interdisciplinar que a consciência fonológica estabelece. Isso ocorre também ligado a outras habilidades, o que só ajuda a criança no desenvolvimento pedagógico.

Importante saber

O processo de alfabetização é um dos mais importantes da vida dos pequenos, de forma geral, e no caso do autista é preciso exercícios que o estimulem de maneira tão atrativa quanto aqueles utilizados com as crianças regulares.

Dicas de exercícios

Há muitos exercícios que podem ser usados para o desenvolvimento da criança autista, mas sempre lembrando que a didática voltada para um aluno nem sempre pode ser a mais indicada para outro. Cada criança é única.

– Uso das sílabas: estimule a criança a repetir a palavra estudada falando sílaba a sílaba. Repita junto com ela batendo palmas leves ou então os pés. Falar uma frase utilizando o recurso das palmas para as sílabas.

– Memorização: durante as aulas, a criança vai ganhando a sua confiança; com isso, você pode desempenhar uma atividade muito proveitosa com ela perguntando sobre algum objeto que tenha em sua casa e que seja iniciado com uma determinada letra. Por exemplo: C (cadeira ou cama), F (fogão), P (porta), etc.

– Uso de fonemas: mostre ao aluno o som que é produzido pelas palavras. Além disso, induzir a criança na descoberta dos sons que cada vocábulo apresenta.

– Uso de frase em que as palavras começam com o mesmo som: “o rato roeu a roupa do rei de Roma”, entre outras.

Enfim, há vários exercícios que visam ao aprendizado das crianças com autismo. Todas elas têm o espaço garantido na educação e você pode ser o grande incentivador disso, desempenhando atividades que as estimulem sempre.

  • Acredito que o trabalho com a consciência fonológica é a melhor e a mais eficiente forma de alfabetização. Independentemente se ela apresenta ou não alguma defasagem
    a

  • Muito obrigada Luciana e Dr. Cley, Brites, este texto é ótimo, a consciência Fonológica é importante para todas as crianças, seria bom que o ensino fosse pautado neste ritmo, mas infelizmente não é, assim os professores conseguiam detectar mais rápido as dificuldades das crianças.
    Abraço para vós
    Atenciosamente Francisca Preto – Lisboa Portugal

    • Muito boa essa matéria sobre TEA.Tenho um aluno autista grau leve.Faço uso desses exercícios. Ele sabe todas as letras do alfabeto e algumas silabas e está em desenvolvimento na leitura.

    • Essas sugestões com certeza contribuem também para a alfabetização de todos os alunos.

    • Muito boa as dicas de atividades, pois muitas vezes nos vemos meios perdidos diante dessa situação de aprendizagem do nosso aluno com TEA.
      É uma dica enriquecedora para nossas atividades diárias.

    • Muito relevante este conhecimento do texto acima, pois é bastante esclarecedor, estou começando a trabalhar crianças com TEA, e estes saberes só enriquecerão meu trabalho junto a estas crianças lindas que são os autistas.

    • Agradeço o texto sobre Consciência Fonológica para crianças com TEA, Sou Pedagoga ,tenho um neto com TEA ,com 3 anos e 7 meses ,Meu maior desejo é ajuda.lo, João Lucas já fala algumas palavras ,mas necessita melhorar sua oralidade, gostaria que você desse mais sugestões de atividades. Desde já agradeço sua disponibilidade e atenção em ajudar . Abraços Ophélia

  • O trabalho com a consciência fonológica é importante em qualquer situação de aprendizagem da alfabetização.

  • Muito obrigado, a Dr. Ckey e a sua esposa pela dedicação em fazer com que nos pais e profissionais na área da Educação, aprendemos tanto com vocês!

  • muio bom tenho 4 autista cada com idades diferente e gosto de está sempre buscando novas formas de ensiná-los. Obrigada através de seus artigos artigos tenho crescido muito na minha prática.

    • Oi Luciana venho a muito tempo acompanhado suas lives tenho um filho de 9 anos com diagnóstico de Autismo severo vários neuros já avaliaram ele é não consegue ajudado ele gosto restrito é não aceita intervenção agride qualquer pessoa que queira trocar o interesse dele uma médica neurologista já falou que deve tiralo da escola o que vc acha

  • Obrigada pelo texto Dr. Clay Brites e Dra. Luciana… cada material que vcs postam sinto cada vez mais curiosidade em aprender mais e mais…. Marcia (Teresina-pi)

    • Quais musicas usou? Tento ensinar a contar o meu pequeno. Com a musica do Patati Patata,:”1, 2, 3 , nesse bole bole todo mundo é freguês.”, tem também:” a, e i o , u todo mundo balançando remexendo…..” Quando desço as escadas de casa vou contando os degraus, mas ele ainda não repete os números. Tem alguma dica?

  • Este assunto é muito importante para nosso entendimento no que se refere ao desenvolvimento. Este texto artigo está muito bom, como os outros publicados anteriormente. Obrigada.

  • Excelente texto. Muito esclarecedor. E as dicas são ótimas. Nos dão abertura para criarmos mais atividades para nossos alunos. Obrigada

  • Muito obrigada Luciana, vcs tem me ajudado bastante nos meus atendimentos, pois atendo duas crianças autistas e com suas dicas estou tendo um bom retorno deles, quanto a consciência fonológica tbm é muito importante!!

  • Parabéns pelo seu trabalho. São ótimos os materiais que vocês postam, e com certeza tem ajudado muitas pessoas. Obrigada e continue nos auxiliando com mais materiais sobre consciência fonológica. Só tenho a agradecer e Parabéns novamente.

  • MUITO BOM ! TENHO UM AUTISTA DE 6ANOS E SOU PROFESSORA TB NUNCA TINHA TRABALHADO OU CONTATO COM UM AUTISTA E MUITO MAIS DIFICIL SE PUDER MANDE MAIS DICAS PARA TRABALHARMOS A ALFABETIZAÇÃO COM OS AUTISTAS.
    OBRIAGADA
    ANDRÉIA FIDALGO

  • Muito bom o assunto! Tenho uma colega de trabalho seu filho é autista, eu não tenho muito contato com ele, mas procuro aprender um pouco para quando surgir a oportunidade. Gostaria muito de contribuir. Quando estou perto dele só o chamo pelo nome não sei como agir depois para despertar a sua atenção. .

  • Muito enriquecedor para nós profissionais da educação. Na maioria das vezes não sabemos como trabalhar com autistas… Essas matérias, as lives são muito interessantes e proveitosas… Obrigada pela disponibilidade, pelo interesse em nos passar essas informações…

  • Excelentes dicas! Sempre estimulo meus alunos trabalhando as palavras e os fonemas e pra isso utilizo a massinha e faço comidinhas e “sucos” (de inicio eu manipulo e vou conversando, depois, quando eles aceitar a manipular, vou fazendo com eles), Também construo microfones com pecinhas pra nos comunicarmos por “microfone” e vou introduzindo vocabulário com a mesma sílaba. Tem dado muito certo.

  • Uma boa dica além dessas citadas é trabalhas com história de repetição, além das crianças adoraram , o aspecto da memória é muito estimulante.

  • Boa tarde.

    Gostei do texto e acredito que a indicação de uma obra ligada ao assunto poderia enriquecer a todos nós.

    Teria alguma disponível para download ou de acesso fácil nas livrarias?

    Continuem o bom trabalho, nós e as crianças agradecemos.

    Att.

    Marcelo.

  • O trabalho com livros de história de repetição também ajuda bastante e proporciona muita aprendizagem na consciência fonológica.

  • Já trabalhei a consciência fonológica com um portador de TEA através da música. A experiência foi ótima, pois ele adorava músicas. Ele começou a falar com 3 anos a partir dela. Sou neuropsicóloga e psicopedagoga.
    O material e os cursos de vocês são ótimos. Está complementando muito a minha formação e tirando muitas dúvidas, pois estamos em um eterno aprendizado.

  • Muito bom este texto!! Meu filho tem 10 anos reconhece as letras, mas não domina completamente as sílabas. Vou praticar com ele, principalmente a dica das palmas.

  • Como fonoaudióloga acha esse método muito eficaz. Trabalho com autistas e esse sem dúvida é o melhor para trabalhar com eles. É claro que alguns pedem que se faça alguns ajustes, até por conta da individualidade, das comorbidades e da própria família. Gostei da iniciativa.

  • ótimo texto!!! Estou adorando todos os artigos. muuuito obrigada….Também gosto muito de trabalhar a consciência fonológica através de jogos…

  • Sou orientadora Ped. e em minha escola tenho dois alunos com TEA. Trabalhar a consciência fonológica com estes alunos é tão importante quanto para os demais. Nosso aluno que está no 9º ano do EF, tem altas habilidades, e está em nossa escola desde cedo, porém não tem dificuldades. A menina que frequenta o 6°ano, está alfabetizada, porém com imensa dificuldade de relacionamento ainda.E como sabem em escola pública e séries finais, não é muito fácil fazer com que a proposta de trabalhos com estes alunos sejam aceitas pela maioria dos professores. Mas vamos tentando fazer a nossa parte. Abraços.

  • Muitíssimo útil! Esclarecedor!
    Obrigada por vocês disponibilizarem conteúdos tão importante!

    • Sheila, só um lembrete não se porta uma deficiência e sim a tem, pois quando portamos algo podemos tirar e deixar em algum lugar, a deficiência não, carrega-se por toda vida. ok

    • Consciência fonológica, ferramenta que enriquece e facilita o processo de aprendizagem para crianças com Tea como também regulares, adoreiiiiii.

  • Meu filho não foi diagnosticado como autista, e sim, Transtorno Global do Desenvolvimento, e funciona bem com ele, ele sabe todos os sons das letras e sílabas, mas ainda não consegue ler, ele tem 8 anos

  • Estou feliz por ter descoberto vocês, tenho aprendido muito com a. Jornada com os vídeos e com os artigos. Espero ter a oportunidade de fazer o curso em um outro momento.
    Obrigada por compartilhar conhecimentos conosco.

  • Estou trabalhando (aprendendo ) com uma criança autista e que até então não conseguia alfabetizar. Com o curso de alfabetização Oferecido por vocês através de Dra Deise, estou conseguindo. Muitos trabalhos com consciência fonológica estão sendo feitos. Muito grata.

  • Boa tarde LU.
    SEI O QUANTO O SOM DAS LETRAS FAZEM A DIFERENÇA P UM BOM APRENDIZADO .
    O SOM DAS LETRAS P UMA CRIANÇA COM TEA , PRONUNCIADO NA FRENTE DO ESPELHO FICA MELHOR AINDA.
    PARABENS PELOS ESCLARECIMENTOS.
    ESTOU SEMPRE ATENTA E COM PAPEL E CANETA P ANOTAR TUDO.

  • Sou professora já há algum tempo, mas acabei de concluir uma especialização em educação especial em deficiência intelectual, e estou gostando muito deste contato com a Neurosaber. Vocês são ótimos. Luciana-Londrina-Pr

  • sabemos muito Sobre a deficiência, mas o conhecimento de como alfabetizar e mediar o conhecimento do aluno, fazer a mediação significativa para que ocorra o desenvolvimento esta palestra sendo de grande valia para nos professores.

  • Faço os sons de alguns animais para meu menino de 2 anos. As vezes ele repete, evolui cada dia. quando chegar a fase de alfabetizar quero estar atualizada. sabendo o que fazer para ajudar com as atividades da escola.

  • Boa tarde, fiquei fascinada pelo material , que tive oportunidade de ler ate o momento.Grata com essa oportunidade que inicia…..Que venham mais!!!! Obrigada..

  • Muito bom o artigo, estou aprendendo muito lendo os seus texto, já tive alguns alunos com portador de TEA e sem saber estava no caminho certo. Parabéns pelos artigos, são enriquecedores para mim como professora.

  • Boa tarde!
    Trabalho com crianças que necessitam Atendimento Educacional Especializado, tendo tido experiência com um aluno com TE., Sempre acreditei na alfabetização através da consciência fonológica, talvez seja por ter graduação em Letras e ter um conhecimento linguístico um pouco mais ampliado. Agradeço a equipe pelo belíssimo material ofertado, pois cada contato com o saber nos proporciona maior ampliação dos conhecimentos para serem colocados em prática com nossas crianças. Cada material recebido tem sido bem aproveitado por mim. Obrigada a todos!
    Cada novidade ofertada me causa expectativa do que vou encontrar na próxima vez que abrir meu e-mail.

  • Eu tenho um filho autista e faço o exercício de repetição de palavras mas vejo que ele não consegue entender que aquele objeto tem aquele nome, por exemplo eu mostrei a lua pra ele e fiquei mostrando e falando olha a lua e todos os dias sentava com ele e mostrava a lua pra ele e ele aprendeu a falar lua , quando saio no quintal ele olha pra cima e tudo que ele vê é lua kkkkkk , o sol é lua , um avião que passa é lua as estrelas é lua, a pipa é lua , por mais que eu fale não esse é o sol , ele fala “lua”. Não vou desistir mas é difícil.

  • Todos OS materiais que vcs publicam Sao muito ricos e informativos , Sao informacoes muito valiosas. Muito obrigada. Um abraco.

  • Adorei o artigo, pois ele só vem confirmar o que acredito durante o desenvolvimento das atividades com os alunos, quando se trata do trabalho de consciência fonológica.

  • É um assunto importante para nós que trabalhamos com crianças e muitas não tem diagnostico e o professor fica procurando como trabalhar para que essa criança cresça no seu aprendizado. este testo só acrescentou e as dicas são muito importante . Obrigado.

  • Texto maravilhoso, de fácil compreensão…
    Vocês são excelentes no que fazem!!!
    Temos muito o que agradecer e aprender com vocês…

  • Depois que fiz o curso de alfabetização com a Dra. Dayse Serra tenho aplicado todo conhecimento sobre consciência fonológica com meus autistas e o resultado tem sido gratificante. Quanto as dicas que vocês deram são ótimas. De forma simples vocês mostram o caminho a ser seguido. Obrigada!

  • Boa noite,
    Muito esclaredor este material.
    Gostaria de saber mais a respeito da alfabetizaçao da criança diagnosticada com DPAC.

  • Excelente texto, muito obrigada a Dr. Cley e esposa. Já foi trabalhado a consciência fonológica no TEA na fase infantil do aluno. Hoje cursa o 8º ano do Ensino Fundamental, não demonstra interesse no trabalho alfabetizador. Tenta acompanhar a turma, copiar atividades do quadro, esforça o máximo para ler, está com idade de 15 anos, letra legível. Ao pedir para que corrija seus erros, tenta corrigir demonstrando interesse. Devo incentivar ou continuar alfabetizando?
    Estou adquirindo experiência também para exercer Psicopedagogia Clínica.
    Abraços e obrigada!

  • Gostei muito do texto, tenho uma aluna autista, no entanto ela ainda não fala mesmo sendo assistida por uma fonoaudióloga, como devo proceder?

  • As dicas são muito importantes e de fácil empregabilidade. A questão de tornar um estímulo (bater palmas ou pés) a cada sílaba auxilia os pequenos à aprendizagem. Contudo o fato de montar um programa individual que atenta os autista é fascinante. Parabéns

  • Ótimo Lu!!

    O trabalho da consciência fonológica é fundamental para a alfabetização, não somente de autistas, mas para toda criança. Adoto o método fonético e ainda, complemento com outras atividades, de acordo com o desenvolvimento e necessidade da criança.
    Parabéns Lu pelo trabalho que vem desenvolvendo!

  • Obrigada pelos textos que disponibilizado neste espaço, estou aproveitando todos, embora não pude acessar anteriormente. Mas estou apreciando os assuntos tratados aqui.

  • A cada aprendizado que venho adquirindo com a Neuro Saber observo as diferentes formas de problemas relacionado as crianças, jovens e que podemos utilizar até mesmo com alguns adultos de forma limpa sem mal tratos mais que os ajudem a ter melhoras diante suas causas e circunstancias.

  • Muito importante as informações, estou aumentando meu leque de informações sobre esses transtornos e esclarecendo muitas dúvidas. O conteúdo dos textos estão de excelente qualidade. Sou Psicóloga Escolar e essa troca de informações estará enriquecendo muito nas palestras com os pais e com as professoras.

  • Obrigada pela oportunidade de aprender e trocar conhecimentos sobre o Autismo. Excelente material ! Gostaria de receber sempre que possível contribuições de sugestões para realização de intervenções adequadas.Obrigada!!!

  • Sou professora de educação infantil, ja trabalhei durante muito tempo em uma clinica / escola especializada em autismo ….
    Sei da enorme importância de estimular de forma correta (atrás de atividades,jogos, musica, fono)
    Excelente material parabens

  • parabens , seus textos estào excelentes ,tenho 2 TEA , de 8 e 14 anos ,com certeza eles vào me ajudar muito. confesso que as vezes tenho um pouco de dificuldade em entende-los mais espero que logo logo essas dificuldades serào sanadas com ajuda de vcs.. Obrigada…. Abraços

  • Parabéns a vocês pela iniciativa em levar os conhecimentos básicos para obtermos sucesso no tratamento das crianças, jovens e adultos com TEA. Alfabetizá-los demanda tempo, paciência, criatividade com muita sensibilidade e conhecimento teórico.

  • Muito boas as atividades propostas! O ritmo, marcao com instrumentos também acredito que facilite a memorização!

  • Artigo muito interessante, como os outros publicados por vocês até aqui. Estou gostando muito de poder aprender um pouco mais com vocês. Obrigada!

  • Gostei muito do assunto, gosto de trabalhar a consciência fonológica com os alunos com dificuldades de aprendizagem.

  • Muito bom o texto. às vezes nos preocupamos em realizar uma atividade complexa, e na verdade quanto mais simples, mais conseguimos atingir nossos alunos. Adorei as dicas, na sala de AEE atendo 4 autistas este ano, e os professores da sala regular sempre me solicitam dicas para facilitar a aprendizagem desses pequenos. Obrigada!

  • Muito interessante a matéria. Tenho um filho de cinco 6 anos e está na última etapa do pré. Ele teve paralisia celebral, onde ficou com algumas cequelas tanto no aprendizado quanto na sua coordenação. Leve estas cequelas mas ele diz que os coleguinhas é nota dez e ele não.

  • Informação muito boa, principalmente para professor que não tem formação emED..Especial e tem que receber crianças com autismo, pelo menos já vai ter um caminho a seguir e depois se aprofundar mais

  • trabalhei com uma criança autista com consciência fonológica mas com outras inteligências como a musical . O que achei importante é não variar a proposta para poder ir para a memória de longo prazo porque se tiver muita variação de proposta eles tem dificuldade. Uma das vantagens de começar com o método fônico da casinha feliz é que não são letras são símbolos e o número de grafemas é muito menor do que os métodos silábicos etc. Estou gostando muito da troca de experiência muito enriquecedora.

  • Gostei mto,essas informacoes tem sido util,tenho consigo ajudar meus filhos de uma maneira melhor e a entende-los tbem, e me ajudar tbempq eu,meu filho de 10 anos,minha filha de 4 anos somos aspergers

  • Texto muito esclarecedor. Meu trabalho é pautado na fonética. Utilizo o som no primeiro contato dos meus alunos com a letra. A consciencia fonologica é a base para que o processo de alfabetização aconteca.

  • Muito bom ,nós profissionais da área de educação estamos sempre em processo de aprendizagem,e quando encontramos alguém que possa enriquecer a nossa bagagem,só temos que agradecer. Muito bom o artigo.

  • Muito bom o tema abordado, nos leva ao conhecimento, e a importância da alfabetização com uma metodologia adequada para criança, que não devemos generalizar um método como padrão à ser seguido.

  • Muito bom!!!!!!!!!!!! Me ajudou e esclareceu dúvidas, pq não conhecia consciência fonológica!!!

  • Excelente texto. Amo alfabetizar utilizando Consciência Fonológica. O resultado é surpreendente! As crianças, de forma geral e não só as que tem TEA, podem ter despertada essa habilidade desde muito cedo, ao serem trabalhadas quanto a percepção e discriminação dos variados sons que as cercam no dia a dia. Dessa forma elas aprendem a ouvir com atenção e a diferenciar por exemplo um espirro de uma tosse, o som da chuva do som da descarga do vaso sanitário. Daí ao iniciar a alfabetização propriamente dita, é um pulo para aprenderem que tudo que falamos pode ser escrito. Porque quando falamos simplesmente emitimos sons. E que esses sons podem ser representados pelas letras do alfabeto. É delicioso observar o desenvolvimento da criança ao longo de todo esse processo.

  • Uma amiga minha tem um filho de três anos, a qual foi diagnosticado autismo. a criança porém não me parece ter autismo, porém desvio de atenção. O que posso fazer para ajuda-la? Quanto ao tema da semana, muito bom.

  • Excelente o artigo sobre o autismo, gosto muito desta área e conhecer sobre como o autista entende o mundo facilita em nossa prática diária, visando o entendimento dele no processo ensino aprendizagem para que possamos traçar estratégias significativas em seu desenvolvimento.

  • Obrigada pelos textos. Eu já venho utilizando este método com meus alunos com dificuldades e transtornos de aprendizagem. Mas e com as crianças com TEA estou começando. Ótimo!!

  • Muito obrigada pela dedicação de vocês, são textos esclarecedores e ricos nique solucionam algumas dúvidas. M

  • Sim. É importante pode conhecer mais sobre este tema , essas dicas são importante para o professor , auxiliando-os em uma nova reflexão, de como devemos desenvolver atividades que propicie um aprendizado significativo para o educando , percebendo suas necessidades e seus conflitos.

  • Interessante e bem aproveitado os conteúdos apresentados. tenho crescido muito utilizando as práticas. somos incentivadores para que a educação cresça e que os alunos aprendam. cada dia tenho curiosidade de aprender ainda mais sobre o autismo.

  • Muito enriquecedores e prazeirosos de se ler ,todos os textos apresentados por vocês.Obrigada e Parabéns aos dois!Meu abraço.Sandra

  • Os recursos apresentados são enriquecedores para nossa prática.. Já trabalhei com a consciência fonológica e os resultados foram bons.

  • Excelentes dicas, texto esclarecedor, irei aplicar em atividades com meus alunos e com meu filho.
    Todos os assuntos abordados são importantes para que possamos desenvolver um bom trabalho e consequentemente o desenvolvimento de cada uma das crianças.

  • Muito obrigada! Estou gostando muito, está fazendo toda diferença no meu trabalho com uma criança de três anos na minha classe.
    Um abraço, Lourdes Oliveira Costa

  • Olá, Luciana! Obrigada pelo apoio, pelas informações que nos ajudam a melhorar o desempenho dos nossos meninos. Não sou profissional da área, mas sou mãe de três meninos, sendo um deles de 5 anos, diagnosticado com TEA desde os 3 anos. Na escola, tenho um certo apoio nas atividades, que por vezes são adaptadas, e em casa me esforço para tornar a atividade atrativa, sempre incentivando meu filho a produzir…
    Continuarei acompanhando o seu trabalho e do Dr. Clay, agradeço mais uma vez o empenho de vocês, porque isso é qualidade de vida para nós, famílias autistas, que por muitas vezes ficamos sem o direcionamento mais adequado para lidar com determinadas situações e só esperamos o progresso dos nossos filhos!

  • Texto muito interessante. Percebo que estas dicas funcionam melhor em casos mais leves do espectro autista. Nos casos em que as limitações são maiores os resultados não são muito evidentes.

  • Boas dicas! Estão sendo ultéis para mim, que tenho uma filha de 5 aninhos com TEA.

    Muito obrigada, pelas dicas!

  • Obrigado pela disponibilização dos textos. Trabalho com dois autistas surdos. Há algo específico voltado para estes?
    Parabéns pelo bom trabalho de pesquisa.

  • Já trabalho com exercícios de consciência fonológogica, mas esta leitura me ajudou a ampliar meus conhecimentos. Meu aluno autista já esta quase lendo e escrevendo.
    Grata por estar nos ajudando!!!

  • Já trabalho com exercícios de consciência fonológogica, mas esta leitura me ajudou a ampliar meus conhecimentos. Meu aluno autista já esta quase lendo e escrevendo.
    Grata por estar nos ajudando!!!

  • Obrigada, pelo texto, tudo muito bom.
    Todo material disponibilizado por vocês tem sido muito útil na minha prática.

  • É muito reconfortante saber que a escola que coordeno está no caminho certo.
    Nossa escola é a única que conheço que alfabetiza pelo método fônico e é por isso que temos 99,99% de resposta positiva em nossas salas.
    Obrigada pelo material. Será de grande valia.
    Um abraço a todos e parabéns pelo belo trabalho.
    Leonice

  • AS DICAS FARAM DE GRANDE VALIA. TENHO DOIS ALUNOS AUTISTAS, UM DE GRAU MAIS LEVE E O OUTRO MAIS SEVERO, POIS AFETA A COMUNICAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO. POR ISSO, TUDO QUE TIVER DE SUGESTÕES PARA DESEMPENHAR COM SUCESSO A PRÁTICA PEDAGÓGICA, AGRADEÇO.

  • Fico intensamente agradecida,por tanto conhecimento ímpar para nosso conhecimento e trabalho com os nossos pacientes,conhecimentos que nós leva a Reflexão, Construção,Conhecimento, e principalmente auto avaliação nosso trabalho.Peço a Deus que
    abençoe grandemente DR Cley e Brites e DR luciana.

  • Muito obrigada pelas orientações! Textos assim, com conteúdos práticos, nos ajudam muito na nossa missão de cuidar desses anjos especiais!

  • Obrigada Drº. Clay e Drª. Luciana pela atenção e pelos artigos que me enviaram vai me ajudar muito. Quero me capacitar para desenvolver um excelente trabalho com minhas crianças.

  • A cada assunto novas descobertas estou aprendendo para repassar com muito amor e dinamismo se por acaso aparecer um Autista na minha vida profissional,aprender com vc Luciana está sendo um sonho fantástico onde nunca mais quero acordar.E o Clay que experiência,que profissional mais atualizado nesta área do TEA.Todos estão de Parabéns,sucessos e mais sucessos!

  • Importante o que traz o texto. Destaco a questão que cada criança se adapta a um tipo de exercício, por isso a importância do professor observar o retorno de cada aluno e dar continuidade a isso.

  • estou muito emocionada pela atenção e o carinho que vcs tem com todos nós. Vou rezar agradecendo à Deus por ter enviado vcs dois para iluminar nossos caminhos.
    Estou adorando os temas, aulas bem esclarecedoras, as neurolives, os vídeos extras do curso de aperfeiçoamento. Adorei as dicas de exercícios, já trabalho c o recurso das palmas, mas o que mais dificulta o nosso trabalho são os vários projetos que chegam toda hora, como datas comemorativas,dia disso dia daquilo ensaia menino p apresentação e o principal vai ficando, não é fácil..

  • Bem esclarecedor e sugestivo. Vou aproveitar bem as dicas para aplicar no processo de alfabetização do meu adorável príncipe José Guilherme.

  • Um texto bem esclarecedor e sugestivo. Informações úteis para serem aplicadas no processo de alfabetização do meu filho José Guilherme

  • A cada dia percebo que esta área é ampla e como tenho aprendido aqui. Obrigada.
    Gostaria de saber se este curso pode dar me um certificado com horas aula.

  • As propostas de atividades são bem esclarecedoras. Elas também podem ser aproveitadas para crianças com dificuldades de aprendizagem. Muito obrigada! Abraço!

  • A consciência fonologica é muito importante no processo de alfabetização. Seus artigos são muito importantes e nos enriquecem cada vez mais.

  • Importantíssimas essas dicas. Conforme fui lendo, lembrei dos meus alunos e com certeza vou aplica-las
    Obrigada.
    Abraços

  • Já tive um aluno com 5 anos, na Educação Infantil, que apresentava todas as características de uma criança autista. Pesquisei muito na época e identificava várias senão todas as características. Mas ainda não tínhamos diagnóstico, muito menos oficial, pois a família não aceitava suas condições. A criança não se atinha à nenhuma atividade proposta (massinha, lego, pintura, desenho…Não gostava nem de tocar nesses instrumentos de estímulos e aprendizagem). E eu adaptava o currículo à ele e as atividades eram as mais atraentes possíveis e variadas. Ele não falava, mas tentava se comunicar com alguns gestos e gritos. Não gostava de permanecer em sala ou perto das outras crianças, agredia os colegas. Tinha medo dos brinquedos do parque, mas era uma criança fisicamente forte e saudável. Não se alimentava dentro do período escolar. Fazia movimentos repetitivos e a única coisa que gostava de fazer, dentre todas as atividades apresentadas, era observar figurinhas dos gibis. Tentei apresentar algumas atividades com o uso de gibis e foram em vão. Recusava. Fiz atividades com instrumentos musicais para começar a estimular essa consciência fonológica e também houve recusa.
    Minha dúvida fica em torno de o que fazer com uma criança que apresenta características autistas dentro do ambiente escolar, mas que ainda está nessa fase anterior à alfabetização propriamente dita.
    Até hoje fico angustiada e frustrada de não ter conseguido fazer nada por essa criança.

  • Muito bom às dicas de atividades
    A que podemos usar palmas ou pés para cada sílaba, é excelente para a conciência fonológica!
    Obrigada..

  • Realmente tenho comprovado na prática a importância e os resultados rápidos e surpreendentes quando trabalhado o desenvolvimento da consciência fonológica. O exercício fonoarticulatório realizado com as crianças em fase de alfabetização é o caminho mais curto para a aquisição da leitura e escrita. Tenho vivido experiências assim com meus alunos autistas e com outros transtornos.

  • Bom Dia!!!
    Como vocês me ajudam!! Tenho sete alunos autistas todos na idade de alfabetização 4 e 5 anos.
    Já estou aplicando com eles os sons, gestos e imagem das letras.” Estratégia sons e gestos que alfabetizam” .

    Obrigada por me ajudarem!!

  • Bom Dia!!!
    Como vocês me ajudam!! Tenho sete alunos autistas todos na idade de alfabetização 4 e 5 anos.
    Já estou aplicando com eles os sons, gestos e imagem das letras.” Estratégia sons e gestos que alfabetizam” .

    Mas não é fácil!!!
    Obrigada por me ajudarem!!

  • Estamos sempre em busca de conhecimentos. TEA ainda é muito novo, e voces, com este lindo trabalho, onde todos têm acesso, estão nos ajudando muito!

  • Dicas muito simples e relevantes.
    Interessante o uso das palmas ou batida dos pés ao falar as sílabas mais pausadamente, sendo que o processo de alfaberização tem muita relação com a noção de ritmo.

  • Esta e outras informações aqui registradas estão sendo de muita importância para a minha vivencia como educadora.

  • Para nós professores é sempre um grande desafio o trabalho com alunos especiais. Mas que sentido teria a vida se não tivéssemos obstáculos a superar? Muito interessantes as dicas, contribuem com o aprofundamento de nossas ações docentes.

  • Lu. Sou psicologa e professora de ballet. Trabalho com crianças e adultos. Tenho uma aluna non ballet infantil que foo diagnóstica com o autismo, ela esta comigo a dois anos, sempre suspeitei de algo porque ela diferia muita das outras criancas, tudo era no tempo dela, no primeiro ano ela praticamente não fazia nada no ballet, ficava mais isolada e conversava muito sozinha. Este ano porem ela deu um super salto, quando foi diagnosticada a uns dois meses atrás conversei com a mãe e ela me disse que seu medico disse que a evolução dele teve grande contribuição da aulas de ballet. Fiquei muito feliz e realmente hoje ela é outra criança. Socializa, ate abraça as colegas de vez em quando, desenvolvemos uma confianaca e respeito muito grande e legal. Amo ela demais kkk. Por isso queria saber se existe algum estudo ou pesquisa algo assim que fale sobre as contribuições que a dança pode proporcionar para criancas autistas. Na pratica eu tenho um exemplo lindo mas queria me aprofundar teoricamente até pra auxilia lá melhor. Desde já agradeço e estou ansiosa para o curso sobre t.a.

  • Boa Noite á Todos! Gosto muito da simplicidade com que você Luciana e Drº Clay transmitem seus conhecimentos. Vocês estão de parabéns, por nos esclarecer com sugestões práticas.

  • Gostei muito das dicas, pois muitas vezes agente fica sem saber como estimular criança em relação aos sons. Obrigada pelos artigos que você vem postando todos são ótimos e nos ajuda como educadores a avançar no processo ensino aprendizagem das crianças.

  • A Consciência fonológico no TEA, em outros transtornos e na alfabetização é o princípio básico para que a criança se atente para o mundo à sua volta pensando através de fonemas. Muito gostoso trabalhar esses exercícios e também produtivo!

  • sou professora AEE e psicopedagoga trabalho com crianças autistas,algumas estão alfabetizada outros não,é um desafio constante.

  • Utilizo essas dias na alfabetização do ensino regular e posso afirmar que os resultados são surpreendentes, mas ainda não tive oportunidade de aplicá-las com as crianças com TEA.
    Obrigada por compartilhar saberes tão ricos.

  • Este trabalho com a consciência fonológica para mim e um recurso que todo professor deveria ter acesso.
    Mais uma vez parabéns a sua equipe.
    Recebemos em sala alunos com este transtorno porém, não somos assistidas no que se refere a formação para trabalhar com os pequenos.

  • Muito importante nós professores sabermos como trabalhar com a criança que apresenta dificuldade na aprendizagem, pois quando não conseguimos atingir o aprendizado nos deixa preocupados e buscamos novos métodos para que a criança aprenda. Obrigado pelas dicas.

  • Adorei o texto e as dicas sobre consciência fonológica e acredito que é um recurso que todo professor deve conhecer e usar. Parabéns à equipe pelo excelente trabalho!

  • Parabéns pelo o trabalho de vocês, sempre busquei informações sobre como se deve processar as atividades para estas crianças, ficava insegura, agora finalmente me sinto segura para conduzi-las no processo de alfabetização.

  • O trabalho de vocês é lindo e está sendo um aprendizado maravilhoso, pois me formei em pedagogia recentemente e é totalmente diferente as teorias para a prática… Sempre que posso participo dos eventos que vocês promovem, já que é uma área que me chama muita atenção..
    Vocês estão de PARABÉNS.

  • A Consciência Fonológica quando trabalhada nas crianças trazem resultados positivos para o aprendizado.E mas uma vez as contribuições dos seus artigos só vem somar,Obrigada!

  • “O Método Fonovisuoarticulatório, carinhosamente apelidado de Método das Boquinhas, utiliza-se além das estratégias fônicas (fonema/som) e visuais(grafema/letra), as articulatórias (articulema/Boquinhas). Seu desenvolvimento foi alicerçado na Fonoaudiologia, em parceria com a Pedagogia, que o sustenta,sendo indicado para alfabetizar quaisquer crianças e mediar/reabilitar os distúrbios da leitura e escrita. Parte das reflexões deste método foi proporcionada pelo contato com o “Programa de Mejoramiento de la Calidad y Equidad de la Educación” (MECE) –“Programa das 900 Escolas”, desenvolvido no Chile desde 1990, indicado pelaUNESCO e estendido a outros países (Guttman, 1993). Sua fundamentação encontra-se também nos estudos de Dewey (1938), Vygotsky (1984, 1989), Ferreiro(1986), Watson (1994), entre outros, cujas ideias são resumidas numa percepção holística frente à alfabetização, tendo a visão da linguagem – em especial a fala -, como ponto focal da aprendizagem” site o método da boquinha- fundamentação teórica.

    Tenho utilizado este método com meus alunos autista, penso que o método proporciona a consciência fonológica de forma prazerosa na aquisição da alfabetização. Vale a pena conferir.

  • Estou adorando estar com vocês. E estes momentos tem sido enriquecedor. Aprendendo muito.

  • Boa tarde! Gostei muito do texto,as informações sobre a Consciência Fonológica foi de grande importância para o planejamento das minhas aulas.parabenizo a equipe pelo trabalho que vem realizando.

  • Muito pertinente essa dicas que estão descritas no artigo. da pra ser trabalhadas em sala de aula não só com o aluno incluso, mas com toda a turma para assim promover a interação entre os educandos.

  • Obrigada pelas dicas! Eu utilizo tampinhas para marcar a pauta sonora, logo abaixo as palavras serem montadas com letras móveis e depois os alunos distribuem as letras dentro das tampinhas. Uma tampinha por sílaba.
    \Zilda Jorge

  • Ótimas dicas!! Desde o momento que comecei a trabalhar utilizando a Consciência Fonológica, observei o avanço no desenvolvimento das crianças tanto na creche como também na APAE. E agradeço esse aprendizado a Dr. Cley e Luciana Brites, os quais compartilham seus conhecimentos.

  • Muito legal as dicas,fico feliz que estou no caminho certo,pois já estudei sobre consciência fonológica,uso bastante no processo de alfabetização,mas não sabia ,que ajudava as crianças com TEA. Obrigado pela atenção.

  • Gente estou muito agradecida por fazer parte da família neuro saber, vocês nem imaginam como essas aulas tem me ajudado a melhorar nos meus atendimentos como professora da sala do AEE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *