Estratégias para manter a atenção do aluno autista em sala de aula

Manter a atenção de qualquer criança em sala de aula é uma tarefa bastante desafiadora para todo educador. Com alunos autistas, a missão exige um pouco mais de determinação, levando-se em conta a percepção diferenciada que eles trazem consigo.

É aconselhável ressaltar, no entanto, que os estudantes diagnosticados com o Transtorno do Espectro Autista (TEA) são completamente aptos ao aprendizado, bastando apenas uma adaptação bem elaborada para a compreensão do conteúdo.

O ambiente da sala de aula é um local propício para a aprendizagem, mas existem estratégias que têm o papel de melhorar o aproveitamento da criança durante as etapas do ensino fundamental.

O que fazer em sala de aula?

A partir das dúvidas tiradas com os pais, as etapas seguintes consistem em estabelecer formas de tornar o ambiente, as pessoas e os conteúdos atraentes ao aluno com autismo.  Veja abaixo algumas iniciativas que podem contribuir imensamente durante o percurso pedagógico do estudante.

  • A utilização de materiais cujas cores despertem o interesse do aluno é um detalhe muito importante para a ‘permanência’ do pequeno em sala de aula. Certas tonalidades têm o poder de atrair ou afastá-lo, por isso a conversa com os responsáveis é importante;
  • Adoção de uma linguagem que não utilize tanta conotação (figurado). Muitas pessoas com autismo entendem apenas frases com sentido literal (real); o ideal é ser objetivo;
  • Propor ao pequeno um tempo adequado para a resolução de atividades, dependendo das características da criança;
  • Mostrar-se completamente disposto a ajudar o aluno em sinal de qualquer dificuldade;
  • Direcionar algumas tarefas que promovam sua convivência com os demais colegas em sala de aula;
  • Planejamento de aulas lúdicas, priorizando a utilização de personagens de desenhos que o estudante demonstra gostar;
  • Jogos de palavras que façam uso de alguma cor de preferência da criança;
  • Valorizar o contato do pequeno com o restante da turma;
  • Evitar falar muito alto em sala, lembrando que o autista tem sensibilidade aguçada em determinadas partes, como a audição;
  • Mantenha a calma em alguma crise de birra feita pelo aluno e explique aos colegas o que está acontecendo. A saída é encontrar um local para que a criança possa se acalmar;
  • Mostrar os conteúdos com bastante uso de imagens. Os exemplos podem ser dados com personagens de desenhos e filmes infantis.

Conversando com os pais

O passo inicial para tornar o espaço escolar interessante ao aluno autista é entrar em contato com os responsáveis pelo estudante com a finalidade de saber o que mais desperta a atenção na criança. Os pais do pequeno são as pessoas mais indicadas para o esclarecimento de dúvidas. A partir dessa aproximação, os educadores terão mais ferramentas para atrair a atenção de seus filhos.

Conquistando confiança

Toda relação, para que seja bem aproveitada, depende da confiança entre as partes. Por meio de uma conversa franca com os pais do aluno, você (educador) estará mais próximo da criança, o que pode facilitar diariamente o convívio. Todos têm a ganhar.

 

Já pensou aprender profundamente sobre o Autismo para melhorar seus atendimentos clínicos, entender melhor seu filho e saber por que seu aluno apresenta determinado comportamento e como trabalhar o processo de inclusão? Em um curso online completo o Dr. Clay Brites te ensina tudo sobre TEA com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *