Estratégias para manter a atenção do aluno autista em sala de aula

A manutenção de um aluno autista em sala de aula pode parecer um grande desafio para o profissional da educação. Muitas pessoas os enxergam como pessoas de difícil relacionamento, o que implicaria em problemas no andamento de uma aula, por exemplo.

Entretanto, é preciso acabar com este preconceito e adotar outra visão acerca dessas crianças. Aqui, você verá estratégias para professores despertarem a atenção dos pequenos. As dicas são muito interessantes e, com certeza, serão muito úteis para você. Estão prontos? Confira abaixo.

Utilizar linguagem objetiva

É extremamente aconselhável que se utilize esse formato de linguagem, pois o autista gosta de entender tudo o que se fala, mas no sentido literal da palavra. Evite as conotações.

Utilizar abordagens sensoriais

O autista precisa ser acompanhado de perto quando o assunto for aspecto sensorial. É muito comum que uma de suas habilidades seja mais apurada que as das outras crianças. Caso o pequeno apresente alguma resistência a um barulho, a um cheiro ou imagem; não a force. Converse com os pais. Só uma equipe de profissionais pode propor uma intervenção eficaz. Se o aluno não demonstrar resistência aos estímulos, então explore as habilidades (visão, audição, etc.). Tudo dentro da possibilidade que o pequeno oferece.

Adaptar currículo, provas e avaliações

O aluno autista está em sala de aula junto com os demais, mas ele necessita que as avaliações sejam adaptadas.

Privilegiar as habilidades

O aluno autista é diverso, pois cada um apresenta uma característica. Há estudantes que são completamente organizados em um item ou têm total predisposição para um campo do conhecimento. Ao notar alguma facilidade do aluno, tente trabalhar isso com riqueza.

Propor atividades baseadas no interesse do aluno

O autista tem a personalidade forte, no que diz respeito aos interesses. Isso só deve ser tratado por médicos especialistas, mas o papel do educador, então, é estimular a criança através de atividades que estejam relacionadas com o interesse do pequeno.

Utilizar jogos

Alguns jogos podem ser ideais para ensinar um autista, mas é preciso que o professor se informe antes com os pais e os médicos da criança. Isso tudo porque o pequeno pode ter alguma hipersensibilidade com cores, barulho, etc. Outro detalhe é não promover jogos que ‘prendam’ o aluno por muito tempo.

Evitar atividades muito longas

É imprescindível que se evite atividades muito longas, porque a criança autista pode se entediar facilmente, ainda mais se não houver nada de seu interesse. Além disso, é importante salientar que o tempo do pequeno com autismo é diferente do restante das crianças. É preciso respeitar.

Propor atividades que estimulem o pensamento lógico

Isso pode ser feito por meio de algum jogo ou outra atividade lúdica que seja responsável por estimular o raciocínio lógico do aluno autista. Lembrando sempre que cada um tem o seu tempo.

Propor pequenas tarefas, mesmo que sejam diversas

Traga a criança autista para o convívio da sala. Estimule-o com tarefas simples, mas que mostrem a ele o quanto é capaz.

Explorar o cotidiano

Parte importante e que terá reflexos muito bons na vida do autista. É muito eficaz que as tarefas do cotidiano sejam apresentadas ao pequeno desde cedo.

Privilegiar vínculos afetivos e incentivar sempre

Por fim, mas não menos importante, quando o educador privilegia os vínculos afetivos entre a criança autista e seus colegas, o convívio fica muito melhor. O incentivo também deve estar sempre presente. Todo o desempenho do pequeno deve ser reconhecido.

  • Muito obrigada por dividir seus conhecimentos.
    Sou professora de Ed. Infantil e temos um menino autista na turma. No ano anterior já foi meu aluno e neste ano continua pois de JNA passei ao JNB (acompanhando a turma). Isto é muito bom para esta criança pois continua com seus vínculos afetivos e assim continuamos regando o que semeamos até o momento.
    Após ler percebo que estou no caminho certo. A criança evolui a cada dia, mas a maior dificuldade é a aceitação dos pais em levá-la a atendimento especial e individual; isto me frustra muito.

  • Muito obrigado pela atenção e por dividir o conhecimento,que faz toda a diferença na nossa prática pedagógica.

  • Estou muito feliz em adquirir esses conhecimento de grande valia para minha vida profissional .Só tenho a agradecer a Neuro saber.Parabéns!

  • Ótimas estratégias para manter o foco das crianças autistas! Muito importante saber lidar com essas crianças pois podemos melhorar e muito o convívio delas os amigos de sala e estimular as suas habilidades . Reconhecer as suas possíveis resistências e trabalhar em conjunto colhendo informações necessárias para desenvolver atividades que lhes proporcionem prazer e respeitando o seu tempo.Buscando sempre o suporte de profissionais especializados para quando for necessário uma intervenção para uma melhor qualidade de vida e melhorar o seu desenvolvimento. Parabéns Dr.Clay Brites, Luciana Brites e equipe Neuro Saber por todos os trabalhos que vocês carinhosamente nos proporcionam , nos ajudando e enriquecendo cada vez mais com seu conhecimentos.Muito obrigada e que Deus os abençoem sempre!❤

  • Muito boa as informações do texto. Em se tratando de autista, toda informação para mim é de grande valia.
    Deixo uma pergunta: uma criança autista (6 anos) ,pode se relacionar com outras pessoas facilmente?
    Olhando nos olhos , interagindo bem ?

  • Profundo agradecimento por compartilhar esses conhecimentos tão preciosos para nós educadores,pais e responsáveis. meu aluno de três anos,com autismo este ano não quer dormir na hora do soninho apos o almoço,na creche.Quer brincar,fazer barulho,correr etc. Com sua orientações,me percebo que m as atitudes tomadas por mim,antes desses conhecimentos não estão tão errados. no principio ,tenho que estar falando com ele sobre o que não é possível fazer o que ele quer naquele momento, ele resiste bastante e eu também repetindo sempre o porque ele não pose fazer aquelas ações naquele momento ,coloco-o à mesa e dou atividades como desenhar,pintar com pincel, legos,e trabalho pedagogicamente acompanhando de perto.Dou livros de história que ele adora. Ele sai as doze horas por não aceitar alimentação da manhã do almoço. Dr.Clay meu procedimento está incorreto?

    Um abraço agradecido.

  • Excelente!!!!!
    Muito importante ter esse conhecimento para poder ajudar nossos pequenos principalmente aqueles que já estão na fase de alfabetização.

    Um forte abraço.

  • Bem explicado essas estratégias,será de grande contribuição pra mim,pra formação de meus conhecimentos e sendo assim me ajudará caso eu tiver um dia um aluno Autista,A Educação necessita desses cuidados,dessas excelentes informações.Parabéns!

  • Dicas importantíssimas não só para os professores, mas também para ajudarmos aos pais em tarefas que podem ser desenvolvidas em casa. Quem trabalha com crianças autistas precisa estar preparado para auxiliar os pais na organização e manutenção do cotidiano dessas crianças.

    Obrigada

    Grande abraço.

  • Obrigada pelas dicas valiosas. Com toda certeza é um grande auxílio para o trabalho do professor e conhecimento para os pais.

  • Boa tarde, Gostaria de agradecer pela contribuição Lu Brittes , pois sou professora de sala de Recursos e todo material que você compartilha me torna mais segura no meu trabalho com os alunos. Grata

  • Sou avó de uma criança autista e me interesso muito para aprender sobre o assunto que é tão novo para todos ,especialmente as escolas ,vou fazer todo o possivel para essas chegarem a direção .professores e demais profissionais da creche do meu neto . Agradeço de coração o empenho de vocês em socializarem o conhecimento , Que Deus os ilumine,abençoe e proteja . Um carinhoso abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *