A importância da consciência fonológica no processo de alfabetização no autismo

A alfabetização no autismo é um desafio que não só educadores precisam lidar, mas todos os profissionais que também estão envolvidos no processo, como médicos e terapeutas. Afinal, a criança e o jovem estarão sob um conjunto de estratégias que possibilitarão a aquisição de competências extremamente importantes.

É preciso lembrar que a escola deve estar pronta para receber os alunos que convivem com autismo. Isso significa que a instituição tem que disponibilizar as condições para contribuir com o ensino e aprendizado do estudante.

Dentro da relação entre consciência fonológica e alfabetização é importante afirmar que o segundo processo não ocorre naturalmente. Este precisa ser estimulado em idade adequada e com o seguimento à risca para que ela se faça eficaz durante o desenvolvimento do pequeno.

Quais são as tarefas de alfabetização no autismo e consciência fonológica que podem ser aplicadas em sala de aula?                                                                                                                      

Há uma série de atividades que podem ser usadas para contribuir com a consciência fonológica de um estudante com autismo. É importante ressaltar que a forma de ensino escolhida para um determinado aluno nem sempre será a mais recomendável para outro. Além disso, nunca se esqueça que cada indivíduo tem uma demanda específica, uma necessidade e um contexto a ser abordado; considerando que ele conviva com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Vejam abaixo:

– Utilização de fonemas: é muito bom mostrar ao aluno o som que pode ser produzido pelas palavras. Estimular a criança na descoberta dos sons que cada vocábulo apresenta é uma oportunidade ideal para introduzir tal percepção, inclusive na alfabetização no autismo;

– Utilização das sílabas: induzir a criança a repetir a palavra que fora estudada pronunciando o vocábulo de sílaba a sílaba. Nessa atividade, repita junto com ela batendo palmas leves ou, então, os pés (mas desde que isso não cause irritação a ela – pelo ruído que pode ser gerado). Opte por frases mais curtas, onde o recurso das palmas possam ser utilizadas para as sílabas;

– Utilização de frase em que as palavras começam com o mesmo som: “o rato roeu a roupa do rei de Roma”, entre outras;

– Memorização: nesta etapa é importante ressaltar que durante as aulas a criança vai adquirindo a sua confiança. Isso significa que você tem condições de desempenhar uma tarefa bastante atrativa junto com ela. Para se ter uma ideia, você pode perguntar acerca de algum objeto que tenha em sua casa e que seja iniciado com uma determinada letra. Por exemplo: A (armário ou alicate), G (geladeira), T (televisão), etc.

Existe algo a mais que pode ser feito para proporcionar a consciência fonológica e o desenvolvimento da alfabetização no autismo?

As intervenções podem e devem ter um caráter interdisciplinar para garantir um tratamento que gere efeitos esperados. É importante sempre ressaltar sobre esse aspecto, uma vez que só com o acompanhamento eficiente de uma equipe variada o progresso poderá ser percebido.

Outro aspecto que devemos reiterar é aquilo do que pode ser feito, por exemplo: analisar quais as necessidades mais urgentes do pequeno para que um roteiro seja estabelecido a fim de que sua demanda seja prontamente atendida.

A consciência fonológica no autismo e a nobre missão da alfabetização

O ato de alfabetizar uma pessoa é sempre um desafio e tanto. Essa missão necessita de mais critérios quando se trata de uma criança diagnosticada com TEA. Sendo assim, o aspecto a ser considerado é o conjunto de características do pequeno. São eles: percepção de mundo, sensações, desenvolvimento linguístico, comorbidades, etc.

A conclusão de tudo isso é que não podemos abrir mão de um acompanhamento que tenha como objetivo o trabalho de todos os elementos que são necessários para a aprendizagem da criança diante dos desafios do autismo, da consciência fonológica e da alfabetização como um todo. Uma missão realmente nobre.

 

BRITES, Clay. Como trabalhar a consciência fonológica no autismo? Entendendo autismo, 2019. Disponível: http://entendendoautismo.com.br/artigo/como-trabalhar-consciencia-fonologica-no-autismo/. Acesso: 08 jan. 2020.

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *