Intervenção pedagógica em casos de autismo

O autismo é um transtorno do desenvolvimento que afeta a comunicação, a interação social e a capacidade cognitiva. Como o próprio nome diz, o espectro autista é um transtorno que apresenta graus de severidade variados: leve, moderado e grave.

Algumas crianças com autismo podem ter fala e inteligência preservadas, enquanto outras podem apresentar uma linguagem muito prejudicada, chegando ao mutismo. Da mesma forma, comportamentos  restritos, falta de contato visual e interação social, são características comuns no autismo.

Dessa forma, torna-se um desafio para os professores encontrarem as melhores intervenções pedagógicas no autismo. Para que isso aconteça, é fundamental contar com o apoio da família e dos profissionais que trabalham com a criança. Entenda melhor, neste artigo.

A importância do diagnóstico precoce

Ainda que os sintomas do autismo se manifestem nos primeiros anos de vida, muitos pais procuram ajuda tardiamente, seja por falta de conhecimento ou pela dificuldade em lidar com o tema.

No entanto, quanto antes for feito o diagnóstico, melhor será o desenvolvimento da criança. Isso porque poderão ser feitas intervenções precoces, que serão elaboradas segundo as características e necessidades de cada criança. Da mesma forma, a elaboração da intervenção pedagógica também é facilitada.

Escola para todos: desafios da prática da inclusão

A escola é para todas as crianças, e, mais do que nunca, precisam se adaptar para responder aos princípios da Inclusão. Em uma escola inclusiva, toda criança é aceita e a diversidade é valorizada.

No entanto, saber quais são as melhores intervenções pedagógicas no autismo é um desafio para os professores. Por isso, é importante que a criança chegue na escola com um diagnóstico fechado, já com tratamento multidisciplinar, com fonoaudiólogo, psicólogo, médico e psicopedagógico.

Esses profissionais que acompanham a criança, podem ajudar a elaborar um planejamento pedagógico específico, dando suporte para o professor. As intervenções pedagógicas no autismo, como com qualquer criança, visam a construção do conhecimento, a inserção social e a criação de um vínculo com a escola, com o ambiente e com as pessoas.

Sabemos que é um desafio colocar em prática a inclusão escolar, por isso a parceria escola, família e profissionais que trabalham com a criança é fundamental para os melhores resultados. Assim, fica mais fácil conseguir os melhores recursos para o desenvolvimento cognitivo, emocional e social da criança com autismo.

Intervenções pedagógicas no autismo

As intervenções pedagógicas no autismo visam assegurar o acesso ao conhecimento e o desenvolvimento das crianças. O Referencial Curricular Nacional para a Educação infantil fala da importância das articulações com outras áreas, para ajudar o professor a conhecer o jeito, as demandas e as necessidades de cada criança.

A criança com autismo, é, antes de tudo, criança. Assim, na escola precisa ter a oportunidade de interagir com outras crianças e aprender sobre o mundo que a cerca. A psicopedagogia tem um papel muito importante no planejamento das melhores intervenções pedagógicas no autismo.

O psicopedagogo vai saber qual a maneira mais adequada para a criança se desenvolver cognitivamente, ajudando-a a construir laços e conhecimentos. Sua função é contribuir na compreensão, assimilação e orientação comportamental da criança com autismo, para que ela possa desenvolver suas potencialidades.

Assim, as intervenções pedagógicas devem estimular e contribuir com o processo de aprendizagem das crianças com autismo. Um caminho, é propiciar conhecimento pelo que encanta e estimula as crianças, para despertar seu interesse e curiosidade para a leitura, escrita e interação social.

Propostas de intervenções pedagógicas no autismo

Atividades que estimulem a criança a fazer a leitura do próprio nome, promovendo o interesse e a descoberta da leitura e da escrita, podem ser feitas usando recursos visuais como luz e sombra. Você pode usar retroprojetor, lanternas, letras do alfabeto e o que mais sua criatividade permitir. 

Também pode contar histórias com a intenção de ampliar o conhecimento de novas palavras e o entendimento de começo meio e fim. Você vai se surpreender como sensações e movimentos podem ser descobertos nessas atividades. 

Durante as atividades podem surgir sentimentos e sensações, que possibilitam que as crianças se expressem, verbal e corporalmente. O professor pode incentivar essa expressão e assim, ajudar a criança a construir alicerces para competências sociais, emocionais e intelectuais. 

Muitos recursos podem ser utilizados, como teatro de sombras, caixas de luzes, entre outros, para ajudar as crianças a desenvolverem movimentos corporais, habilidades fundamentais para a aprendizagem.

A aprendizagem será efetiva se a proposta despertar o interesse e a curiosidade da criança. Por isso, para que as intervenções pedagógicas no autismo cumpram seu papel, precisam motivar a criança para a aprendizagem.

Restou alguma dúvida? Deixe nos comentários.

 

Referências:

SILVA, Ezequiel Pereira. O AUTISMO E A INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA NA ESCOLA. Analise a cerca do Autismo e a intervenção psicopedagógica na escola. Aspectos cognitivo, social e afetivo.

Dr Clay Brites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *